25.6.17

USEI A BUCETA PARA SER PROMOVIDA NA EMPRESA - SOU PUTA? PARTE-1

Recebemos essa história de uma leitora que tem uma dúvida:
Me chamo Mayumi, sansei, tenho 32 anos, moro em Santana - Zona Norte de SP. Sou casada há oito anos com Takashi, também sansei, que me deu dois filhos lindos. Apesar da idade me acho gostosa (coxas grossas e seios pequenos mas durinhos). Deve ser a genética, porque não "malho", faço apenas um pouco de esteira quando posso.
 Minha vida mudou completamente quando, ao chegar em casa após o trabalho, meu marido estava me esperando com uma "bomba"
- Amor, fui demitido. Estou arrasado! 
 Isso mesmo, assim como milhões de brasileiros, Takashi havia perdido o emprego. Pensei comigo "fodeu"! Havíamos feito a viagem dos nossos sonhos para o Japão e tínhamos prestação da moto e do carro para pagar, escola dos meninos e zero de economias, não sei como faríamos para pagar nossas dividas.
- E agora Takashi o que faremos??

Um comentário:

Marta Pinheiro disse...

Também estou dando cona ao meu chefe para segurar o emprego e, até subi de categoria. (É caso para dizer que subi de catagoria deitada) Sou casada, tenho 33 anos e embora o meu marido ganhe muito bem, para manter o actual nivel de vida necessitamos do meu vencimento. Com a restreturação da empresa parte dos empregados iriam ser despedidos e eu certamente que também o seria, pois sempre havia resistido ás insinuaçõs do meu chefe, que embora nunca me tivesse feito qualquer proposta notava muito bem o seu desejo, que eu sempre fingia não perceber e ele de certo não ia perder a opotunidade para se ver livre de mim. Para ser franca, pode dizer-se que até é um homem bastante sexy, mas eu sempre tive relutância em trair o meu marido, contudo iria ser desta vez. Não foi necessário oferecer-me, bastou mostrar-me mais acessivel até ele me propor mesmo ir comigo para um motel. Não cedi de imediato, para não demonstrar ser assim uma mulher tão fácil, pois sabia que ele iria insistir, como realmente sucedeu. A discrição deste mosso caso é maxima, ninguém na empresa suspeita e o meu marido muito menos. É num motel que se realizam os nossos encontros, nunca em dias certos. Nos primeiros encontros o meu prazer era minimo, pensava contimuadamente no meu marido, mas atualmente já consigo gozar, embora seja apenas prazer sexual, posso afirmar que o amor pelo meu marido em nada está sendo afectado, é com ele que realmente faço amor.