23.8.19

VOCÊ CONSEGUE IDENTIFICAR UM CASAL HOTWIFE/CUCKOLD?

É possível identificar características que facilitassem a identificação de casais hotwife/cuckold ou com tendência a esse fetiche?
Entenda-se como casais hotwife/cuckold aqueles que já passaram da fase inicial e que levam o temperamento de dominação sexual para a vida cotidiana do casal; o que claro, facilita ainda mais a identificação desse tipo de fetiche por quem é de fora.
É difícil manter uma relação casais hotwife/cuckold em completo segredo. Primeiro porque as pessoas ao redor que são mais antenadas acabam desconfiando de algo estranho; e em alguns casos, porque a própria esposa não consegue se conter de orgulho por viver essas experiências, e acaba sempre contanto para alguma amiga.
Não que seja do nosso interesse revelar esses segredos, mas fizemos uma lista baseada no que achamos que seja o casal hotwife/cuckold clássico. Vamos lá:
1-A mulher geralmente fica à frente de decisões, negociações, compras, e qualquer coisa defina o caminho escolhido pelo casal.
2-O homem não se importa em ser abandonado ou posto de lado, quando a esposa está negociando com outro homem.
3-Geralmente os maridos assim são mais caseiros. Não curtem balada. Não investem em mulher nenhuma.
4-As esposas, ao contrário, sentem a necessidade de se sentirem livres. São independentes. Gostam de sair sozinhas.
5-O marido é relaxado com a aparência.
6-A esposa gosta de cuidar do corpo e da aparência. Adora perceber que atraiu a atenção de outros homens. E fica sempre atenta, de olho no marido de outras mulheres.
7-O casal faz pouco sexo. O marido gosta de se masturbar. A mulher ajuda o marido na masturbação algumas vezes. A mulher gosta da ideia de ter outro homem por fora para saciar o desejo sexual, que o marido não consegue. Isso faz com que a mulher tenha sempre um comportamento mais adolescente de "caçadora" e o homem seja mais ranzinza e tímido.
8-O marido mima e faz todos os gostos da mulher.
9-O marido ajuda nos afazeres diários por determinação da esposa. Não se importa em deixar ela sair sozinha e chegar tarde em casa.
10-O marido tem orgulho de ter a esposa. Gosta de mostrar essa mulher para amigos, ou nas redes socais. E adora colecionar fotos dela.
11-A esposa é bastante ciumenta. Não tolera qualquer descuido do marido. Infidelidade nem pensar. A simples aproximação de outra mulher num evento, já pode irritar a esposa. Ela faz questão de ter ele só para ela.
12-Os amigos mais próximos pensam que o marido é um bobão, que não enxerga as intenções da própria esposa.
13-Algumas amigas da esposa ficam sabendo os detalhes da relação entre ela e o marido. A amiga mais confidente sempre acaba sabendo tudo... que o marido é corno manso e que a sua amiga está saindo com o rapaz lindo da academia... essas coisas.
14-Algumas vezes, a família do marido não aceita a esposa. Geralmente, por acreditar que aquela "moça safada" está tirando vantagem da inocência do pobre marido.
15-Se a esposa tem um chefe ou outro amigo homem no trabalho, em que role atração... certamente, muita gente no trabalho dela vai ficar sabendo que o marido dela leva chifres toda semana.
Vale ressaltar, que muitos casais hotwife/cuckold não se enquadram nessa categoria. Alguns são apenas iniciantes, curiosos, ou ainda, a dominação não invadiu a vida cotidiana do casal.

18.8.19

ESPOSA SONHA COM A ROLA DE UM NEGÃO

Somos casados faz cinco anos. Embora o nosso relacionamento sexual seja satisfatório, por várias vezes minha esposa demostrou desejo de ser comida por outro homem, mais precisamente, dar para um negro. 
Ela ainda está meio tímida, mas está muito afim. Minha fogosa e gostosa esposa não vê a hora de levar uma rola negra bem grossa!


Quanto maior o caralho, imagino que minha mulherzinha estará mais satisfeita.
O difícil é convencê-la a trepar com outro na minha presença, mas depois de toda minha insistência, ela já está começando a aceitar!



Não suporto a ideia de ela procurar o negão sem meu conhecimento. Se isso acontecer terei um par de chifres sem saber. Está provado que nada impede a esposa cornear o marido se ela de fato ela desejar.
A verdade é que uma mulher tão gostosa não merece ser de um único macho. Não posso ser egoísta querendo uma bunda e uma buceta tão gostosa somente para mim!

13.8.19

SOU PUTA SIM E DAÍ?

Sou puta, sim sou uma puta, já dei mais que uva em cacho e perdi as contas de tantas aventuras sexuais. Transei com colegas de trabalho, com alguns conhecidos, amigos então, nem se fala! Já transei com estranhos e sem nenhum envolvimento ou sem um motivo importante.
Sim, já transei muitas vezes, sexo por sexo, prazer por prazer, necessidade da carne como dizem por ai e não me arrependo de nada, pois saciei meus desejos e os instintos carnais. Realizei fantasias, as mais intensas e loucas e satisfiz as loucuras mais vadias e sacanas. Sinto-me uma mulher realizada, por permitir-me às taras e às muitas descobertas, algumas despudoradas, outras extravagantes, que libertaram a minha alma e o meu corpo, dos dogmas e preconceitos. 
Provei todos os gostos que a vida e o sexo podem oferecer a paixão avassaladora, o prazer inebriante e muitos orgasmos gostosos, com homens e com mulheres. 
Sim... Eu sou uma puta e ser puta é ser artista, por que putaria é uma arte, é ser a mentora de uma arte, a qual todas as mulheres deveriam se regozijar, ao serem chamadas de putas. Por que "puta" não é ofensa, é elogio, pois não é qualquer mulher que consegue sê-la! Ser puta é uma evolução do atributo "fêmea", que recebemos quando nascemos. Fêmea qualquer uma consegue ser, é de berço, mas evoluir para puta durante a vida, não é para qualquer uma, tem que ser mulher corajosa.
Ser puta é libertar-se da escravização dos falsos moralismos, dos rótulos da sociedade, do puritanismo e dos preconceitos. Manter-se fiel às origens, sendo por toda a vida, uma santinha do pau-oco, acaba-se amargurada, frustrada e insatisfeita, por que ser assim, viola os desejos, as fantasias, aborta-se o prazer, e extirpa-se o gozo, por medo. Sim, medo dos comentários, dos olhares, do julgamento alheio e da hipocrisia da nossa sociedade atrasada. Negar-se a ser puta, prende-nos às ideias medíocres do conservadorismo machista, sob a visão distorcida dos relacionamentos e pensamentos miseráveis e restritos, que teimam em manterem-se dominantes, mas condenam-nos às decepções, pois o macho quando não satisfeito, sai em busca das verdadeiras fêmeas e da sua satisfação sexual.  
Ser puta é saber usar as suas armas de sedução e todas as suas ferramentas de prazer. Se todas as mulheres soubessem, os que possuem disponível no seu próprio corpo, com certeza seriam muito mais felizes e satisfeitas, na cama e na vida, porque o sexo, prazer e orgasmo, são as soluções de quase todos os problemas femininos. Concordam? 
Depois de uma boa trepada, de um orgasmo devastador e da satisfação plena dos instintos, qualquer mulher sente-se mais leve, capaz de encarar a vida com mais felicidade. Não acredita? Pergunte a uma mulher!
Sou alegre por que sou puta, que não tem vergonha de assumir-se e que me realizei sexualmente, sem me preocupar com o que os outros pensam ou dizem.
Sou feliz por que sou puta! Puta que decidiu assumir a autoria de uma obra de arte, chamada de prazer, onde cada uma das cores é uma etapa evoluída. Puta que decidiu ser artista e pintar a tela dos meus orgasmos com cada um dos matizes do meu prazer.
Sou puta sim! Sou puta por que nasci fêmea e decidi que preciso ser feliz!
Sou puta sim... E daí?

9.8.19

SEXO ANAL - FETICHE DOS MENINOS TABU DAS MENINAS

Marcy (fumando um baseado): você já imaginou que vai ter que aguentar a “pica” do Bill para o resto da vida?
Karen: Eu sei, e o pau dele é grande!
Marcy: E vai doer principalmente no cuzinho. O Bill já te pediu o cuzinho?
Karen: Não, e nem vai conseguir...
Marcy: Mas nem na noite de núpcias? Não se nega o cuzinho a seu homem... Tem que liberar! Porque, uma vez que ele sabe que pode comê-lo, não vai mais querer. Acredite!
Karen: Vou fazer isso!
Marcy: É uma teoria! E você o que acha disso?
Karen: Bom Marcy, não sei, pode ser que seja verdade, mas o problema é que o pau dele é muito grande!
Marcy: E qual é o problema, existem pílulas para relaxamento muscular, e cremes para isso, além do mais você pode ficar por cima para controlar a intensidade, ou de quatro, da melhor forma que achar. E se encontrar o caminho certo, você nunca mais vai querer dar a buceta.
Karen: Ah, qual é?!
Marcy: Sério, é verdade. Já tive um homem que me comia tão bem o cu que poucas vezes liberei a buceta. A porta de trás pode ser também uma entrada para o paraíso, é só saber quem vai te encaminhar para ele.

*Diálogo foi extraído de um dos capítulos de Californication, uma serie americana feita para TV. A primeira temporada foi ao ar em 2007 e a quarta temporada de estreia nos EUA em janeiro de 2011.Tem como protagonista Hank (David Duchovny), escritor com apenas um livro de sucesso e em crise de inspiração. Talentoso, instável, irreverente, mulherengo, intempestivo Hank percorre, ao longo dos capítulos, uma sinuosa jornada de noitadas, álcool, vícios e mulheres, mas que almeja, ao mesmo tempo e, sobretudo, restabelecer a antiga relação amorosa com sua ex-mulher Karen (Natascha McElhone) e de sua filha Becca (Madeleine Martin).
Californication não é feita para crianças e adolescentes. É para “gente grande” que gosta de humor, drama, mas principalmente altas doses de sacanagem, sexo e drogas.

MAS E AI MENINAS... DAR O CÚ OU NÃO?

O sexo anal é uma das modalidades mais desejadas pelos homens, mas, para as mulheres, é bem diferente – algumas não aceitam ou simplesmente não gostam.

Uma leitora do SeximaginariuM comentou que "Isso é teoria de amiga que ver a outra amiga se foder...kkkk. Homem depois que prova um cuzinho, jamais vais deixar de querer mais. E mulher que tem a sorte de ter um homem, que come um cuzinho direitinho, ah meu nego.. não deixa de dar nunca mais. Mas.. isso é igual a sexo oral. ou seja, é uma arte saber fazer."
Outra deixou seu recado "Humm cuzinho é tudo de bom na hora certa e com o cara que sabe das coisas"

Curioso pelo assunto, vasculhei a net em busca da opinião feminina sobre a pratica e encontrei um post no site Tramado Por Mulheres - TPM @TPMulheres escrito pela Naya Fouquet @realfouquet


SEXO ANAL VISTO POR ELAS…

Assunto tabu, mas nem tanto. Semana passada fiz uma pesquisa rápida pelo mundo do twitter para entender como as mulheres ainda enxergam o sexo anal!
Muitos homens tem vontade de dominar uma mulher pelas ancas, outros já conseguiram, alguns não se arriscam; mas hoje é foco é feminino.

E aí, querida, o que você acha de sexo anal?
Incríveis como as mulheres que já praticaram ou ainda praticam não tem vergonha em falar publicamente sobre o assunto, algumas preferem deixar o mistério e vieram me contar por mensagens privadas (msn, gtalk, email ou dm).
Depois de muito debate chegamos a algumas conclusões:
Toda mulher tem interesse em saber como é. Seja para agradar a si mesma ou para agradar o companheiro. De uma maneira ou outra ela, pelo menos, já pensou no assunto. Agora a ação que é o complicado.
Todas reclamaram que a primeira dói. Uma parte para por ali mesmo, outras tentam mais uma e desistem de vez, algumas pegam gosto e técnica.

Atenção: 

TODAS disseram que o homem tem que saber o que está fazendo.
As novatas pedem carinho
As experientes pedem para colocar tudo de uma vez e todas pedem para estimular bem.
As que fizeram e continuam dizem ser mais gostoso que sexo comum. E mais, elas que gostam de controlar o movimento.
As que têm interesse em fazer não sabem como chegar para o parceiro e pedir “come meu cu”. Meninos ajudem! Se a mocinha empina a bundinha, ou movimenta o seu pênis em direção ao buraco de trás ENTENDAM o que isso significa.
Mulheres que não curtem, mas fazem, acreditam que sexo anal é um prêmio e o cara precisa se esforçar muito para ganhar.

Uma coisa é fato. Independente de terem feito ou não, mulheres ainda tem vergonha de falar sobre o assunto. Apesar de eu ter recebido várias respostas, não são nada comparadas a outras pesquisas que costumo realizar para posts novos. Incrível como é uma coisa que acontece sempre, que pensam sempre, mas que ainda parece um assunto proibido ou errado.
Até mesmo li algumas meninas comentando que as mulheres estão vendo muito pornô e por isso fazendo/pensando mais sexo anal. Será?
Eu realmente acredito que o pornô ajudou a popularizar sexo anal, mas não vejo como um caminho ruim e sim natural. As pessoas fazem isso, só depende a maneira como você enxerga. Se você acredita ser errado, se acha que é coisa de puta, realmente nunca será bom e muito menos um assunto tranquilo de conversar.
Algumas meninas tem medo de tocar no assunto por achar que não devem fazer e muito menos pensar nisso. Acreditam também que os homens enxergam mulher que não faz sexo anal como mulher para casar. E aí, meninos? É assim mesmo?
O cu está lá, tem terminações nervosas que dão prazer sim e você pode chegar ao orgasmo com isso. Lógico que não quero forçar a barra e gritar por aí “Façam sexo anal”, mas se você tem curiosidade, por que não tentar? E tentar direito. Sexo anal não é enfiar uma coisa na outra como se fosse lego, envolve outras coisas.
O homem tem que entender que não é um buraco de boneca inflável, a região é sensível, mas também não significa passar manteiga e esperar para escorregar.
A mulher precisa estar relaxada e excitada. Se ela estiver tensa e você tentar isso logo que começar a brincadeira, meu amigo, esqueça. Não vai entrar nem ar. Portanto seguem dicas que minhas queridas amigas passaram, junte tudo, bata um bolo e seja feliz!

#DICA PARA OS MENINOS:

O ritmo é diferente do sexo comum, tem que ser devagarzinho, com mais carinho.
Alise a região, passe os dedos, comece a penetração com os dedos para acostumar e relaxar a musculatura.
Colocar o dedo, esperar o músculo contrair, mexer o dedo, contrair, mexer mais um pouco, contrair. O local vai relaxando se você fizer isso.
Travesseiro na barriga ajuda a relaxar a musculatura também, ficar de bruços é a preferência da mulherada. Dá pra ir controlando, subindo e descendo.
Sem brutalidade. Por ser uma região sensível pode sangrar, vão com calma nos movimentos. Se sangrar a gata desiste de continuar fazendo.
Tem um spray chamado Amparys que faz milagre. Go, farmácia, go
Faça sexo normalmente e aproveite para estimular a região, quando mais “mole” ela estiver, mais fácil fica.
Deixe que ela controle a entrada, mas se algumas mulheres preferem que vá de uma vez. Converse antes para ver o que ela prefere.

#DICA PARA AS MENINAS:

Alimentos leves e chuca garantem diversão sem sujeira. Já ouvi papos de laxante, mas não apelem, pode fazer mal para a saúde ficar se entupindo de laxante e ainda é capaz de dar um piriri na hora do vamos ver.

 #Opiniões e #Dicas postadas! E você o que acha da pratica do sexo anal, mais conhecido como “dar o cuzinho”?

1.8.19

PORTUGUESA CASADA EXPERIMENTOU O CARALHO DO NEGÃO

É muito comum mulheres, casadas, ou não, terem a fantasia de ser fodida por um homem negro, desejarem experimentar o caralho de um negrão. 
Eu, Fatima estou entre elas! Sou casada e tenho o azar do meu marido não querer ser corno manso e me ajudar a encontrar um comedor afro para concretizar as minhas fantasias. 
Necessitei, portanto de recorrer a um garoto de programa de nome Elias. Na minha primeira vez com um negrão necessitei tomar algumas bebidas alcoólicas, pois nunca tinha dado a homem algum exceto ao meu marido. Abrir as pernas para um estranho meter onde apenas ele havia metido parecia-me ser um crime que ia cometer. Embora o meu desejo fosse experimentar um caralho volumoso, tinha receio de este ser demasiado grosso, ficar arrombada e o meu marido notar. 
Já no quarto do motel com o Elias, não conseguia mesmo disfarçar quanto estava nervosa e a vergonha que tinha de me expor nua na frente dele. O Elias até foi bastante amoroso comigo, portou-se como um namorado; com ambos inteiramente vestidos procurou excitar-me, beijando-me e acariciando-me, até que comecei a corresponder aos beijos de língua. 
Apesar de já bastante excitada não me atrevia a ficar peladinha. Deitei na cama só com calcinhas e sutiã. Ele sem qualquer pudor despiu-se totalmente. Quando vi o caralho dele fiquei assustada, receando não aguentar aquilo, além de enorme a grossura. Se não tivesse já parido um filho certamente iria doer muito!
Ele começou por massagear-me os ombros, a nuca e a barriga; com um caralho tão rijo roçando em mim, não me contive em pegar para avaliar a grossura, punhetando-o durante momentos. Ele passou de seguida a massagear-me os pés, as pernas e as coxas, especialmente o interior destas, tocando como casualmente no meio das pernas, verificando ele que as calcinhas estavam mais que molhadas. Regressou aos meus peitos, tirou o sutiã, ficando assim com as maminhas ao leu e os mamilos bem salientes, que de imediato abocanhou, chupando e lambendo. Eu não me contive mais uma vez e meti na boca na rola dura. Dado a sua grossura, foi difícil entrar na boca; chupei apenas a cabeça.
Elias continuou a beijar-me a barriga até ao umbigo; despiu-me as calcinhas e os seus lábios e a língua logo atingiram o meio das minhas pernas, beijando e lambendo as virilhas, provocando-me ondas de prazer, esperando eu a todo o momento o contato onde mais desejava, não tardando sentir dedilhar o clitóris e lamber os lábios da buceta, alternando com a introdução e alguns dedos nela! O meu desejo era mesmo que aquele pau negro entrasse em vez dos dedos. O Elias constantemente dizia:
 Como és linda, que beleza, grande prazer tenho em te foder. 
Vi que colocava uma camisinha naquela verga preta. Só lhe pedi: 
Isso é muito grosso mete lentamente! 
Sim, fica tranquila. 
Ele foi metendo lentamente. Aquilo alargava o canal conforme ia entrando. Senti que bateu no útero, uma dor gostosa. Ele estava em cima de mim, beijava-me enquanto movimentava um vai vem, roçando sempre no clitóris. Os orgasmos eram continuados, eu gemia e gritava de prazer. Mudamos de posição, fiquei na posição de quatro assim entrava mais fundo, mas era delicioso. Pediu-me depois para cavalgar, obtendo eu também assim intensos orgasmos. Deitei-me na beira da cama, com ele de pé, abriu-me as pernas e elevou-as. Naquela posição via bem como aquela geba negra entrava e quase saía da buceta. Ele ainda pediu para meter no cuzinho, mas não deixei. Era muito grosso. Gozamos intensamente.
Saímos outras vezes que não aceitou qualquer pagamento, prontificando-se ainda a repetir sempre k eu desejasse, ficando o motel a meu cargo. Foi ainda melhor, até dei o cuzinho.