25.2.18

MEU MARIDO É UM CUCKOLD VOYEUR

Olá, meu nome é Liliane, tenho 35 anos e sou casada com Anderson faz quase 10 anos. Um dia li aqui nesse blog sobre cuckold e voyeurismo. Sempre tive muito interesse e curiosidade em saber o que era e como funcionava. Descobri rsrs – Homens que assistem suas mulheres trepando com outros caras! Como foi meu marido que comentou e despertou minha curiosidade sobre o tem, esperei o momento certo para comentar com ele. Perguntei a ele o que ele sentiria em me ver transando com outro homem:
– Tesão, muito tesão meu amor!
Fiquei surpresa com a resposta, mas não fiz nenhum comentário e fui dormir. Passei a noite pensando sobre o assunto. Às vezes pensava que meu marido não me amava mais, outras como seria transar com outro homem.
No dia seguinte agi como se nada tivesse acontecido. Abracei e beijei muito meu marido porque ele iria viajar e ficaria 10 dias fora. Ele voltaria numa sexta-feira. Fui ao salão de beleza, me depilei como ele gosta e comprei lingerie novo para comemorarmos a sua volta. Ele havia me dito que no sábado faríamos um programa diferente. Sairíamos para jantar, iriamos a um motel e eu teria uma surpresa!
De tão ansiosa, aguardando o final da noite, não comi quase nada. Chegando ao motel ele foi logo tirando minha roupa, elogiou meu lingerie – uma calcinha bem pequena e um sutiã meia taça, que segundo ele ficou muito sexy em mim. Senti seu pau duro. Quando ia começar a chupa-lo bateram a porta da suíte.
– Deve ser o garçom trazendo as bebidas.
Meu marido voltou acompanhado de um garoto alto, forte, bem vestido que trazia uma bandeja com champanhe. Fui pega de surpresa e não consegui me vestir. O garoto encheu as taças, deu uma ao meu marido e veio com a outra em minha direção. Estendi a mão para pegar, mas ele quis colocar a bebida em minha boca. Olhei para o Anderson que fez sinal afirmativo com a cabeça. Enquanto eu bebia o champanhe, com a outra mão ele acariciava meu ombro. O Anderson ao mesmo tempo em que apreciava a cena massageava o próprio pinto.
Já sabia o que era a tal surpresa: Um garoto de programa. Confesso que, apesar do nervosismo e do susto, por um momento, esqueci que estava seminua, sendo massageada por um desconhecido, na frente do meu marido.
O garoto desabotoou meu sutiã segurou e apertou meus seios. Arrepiei-me toda. As mãos do garoto deslizaram pela minha cintura, se enroscaram nas cordinhas laterais da minha tanguinha, escorregando pelas minhas pernas levando junto minha calcinha ate o meio das coxas.
Eu estava totalmente nua na frente de um homem estranho quase nu, meu marido também pelado se masturbando, alguém conseguem imaginar a cena?
O garoto totalmente nu me abraçou e me beijou. Involuntariamente olhei para a cintura dele: Um pinto grande, grosso e rijo, as bolas davam a impressão de estarem pesadas, cheias de porra precisando de muito de sexo. Anderson se aproximou, colocou a mão na minha buceta, pediu que eu abrisse bem as pernas para que o nosso convidado pudesse ver o quanto eu estava excitada e melada. O garoto aproveitou para pincelar a rola na minha buceta. Muito tesão sentir a pulsação daquele pau gigante entre as pernas. Não resisti e gozei lambuzando a rola do garoto e a mão do Anderson. Foi um orgasmo tão intenso que faltou forças nas pernas e se o garoto não me segurasse, teria caído.
Deitei de bruços na cama. O garoto começou a beijar minha bunda, lamber meu cuzinho e chupar minha buceta. Com os olhos fechados escutava a respiração ofegante e o barulho da punheta do meu marido.
Anderson agarrou nos meus cabelos e mandou-me bater uma punheta para o garoto. Ordens são ordens! Comecei a masturba-lo e, quanto mais eu manipulava a rola mais dura ficava. Meu marido acompanhava tudo de perto com pequenas pausas em sua masturbação dizendo estar a ponto de gozar. O garoto me mandava tocar punheta e olhar para o meu marido e mostrar a ele como o pau estava duro. Depois enfiou o que cabia na minha boca quase me afogando.
O garoto afastou minha cabeça do seu pau, me pôs sentada sobre o balcão e posicionou-se entre minhas pernas. Meu marido ficou atrás de mim, apoiando minhas costas e acariciando meus seios enquanto o garoto forçava a rola na entrada da minha buceta, que mesmo muito excitada e molhada, não conseguia relaxar o suficiente para acolher aquele colosso. Com muita paciência ele foi me invadindo e enfiando o pinto dentro de mim. Introduziu boa parte do pau, parou um pouco, deixou a buceta lacear e deu inicio aos movimentos de vai e vem, me fazendo gozar alucinadamente. Deitou-me na cama, encostou a ponta do pinto na minha boca, mal passei a língua e ele despejou um jato de porra… Era tanta que precisei engolir um pouco para não me afogar. Não contente, apontou o pau para os meus seios e deu mais uma esguichada! Com a rola amolecida, espalhou o restinho de porra por todo o meu rosto. Anderson, após ter se satisfeito também, me pegou nos braços deitou-me na cama e me beijou na boca mesmo eu estando toda lambuza de porra de outro homem.
Assim que o garoto voltou do banho, se vestiu e foi embora, eu e meu marido fomos para o chuveiro. Procurei retribuir um pouco do prazer que eu havia sentido – chupei seu pau ate faze-lo gozar na minha boca. Quando terminamos nosso banho ganhei uma caixinha preta com um maravilhoso anel e um cartão com muitas juras de amor.
Com todos esses mimos fiquei devedora, pois tive a maior noite de prazer da minha vida.

18.2.18

ANIVERSÁRIO DE 10 ANOS DO SEXIMAGINARIUM

Uma miragem desnuda enfeitiçando aos ares
De espaldares e costas nuas…
De arrepios e eriços
Nessa imaginação que fecunda teu sexo livre no meu em deslize
Numa despudorada cena esfregando-nos em langores…
De imaginarmos tantos corpos e tantas bocas nos salivando
Enlouquecemos em ardências
Saboreados em derrames…
-Somos eu, e você, e eles em nós.
-Degustando os prazeres de nossos sexos que se entreabrem numa dança
Feito as huris à imaginação mais profana
Somos sexis imaginários…
Presente de ABSINTO em 2009, no primeiro aniversário do SeximaginariuM

Em 17 de fevereiro de 2008 colocamos no ar um Sexiblog pervertido, erótico, pornográfico, sobretudo irreverente. Escrever e postar sobre o que mais gostamos - sexo - em todas suas variações, dá muito tesão!
Batizamos o Blog de SEXIMAGINARIUM – meio SEXO meio IMAGINARIUM – com uma “cara” que já passou por diversas plásticas, mas sem “perder a sacanagem jamais”.
Podemos dizer aos nossos leitores que, nesses 10 anos de sexi blogueiros, em que dividimos com vocês ideias, noticias e matérias, nos divertimos muito. Escolher os temas, as fotos, escrever os posts, divulgar os contos dos leitores e leitoras é uma experiência única.
Em outubro de 2016 resolvemos “mudar de casa” para o www.seximaginarium.blog.br  mas, não desativamos esse espaço! 
Continuamos com o mesmo tesão e compromissos de 10 anos atrás – Celebrar o Sexo!
Viva!
Leo

15.2.18

MULHER PROCURA RELACIONAMENTO CUCKOLD

Me chamo Anne, tenho 34 anos, morena, carinhosa e muito fogosa. Tenho uma situação financeira estável e bom nível cultural. Procuro um homem maduro (50 anos ate 70 anos), estabilizado economicamente que queira ser meu cuckold. Como compensação, farei dele um corninho muito feliz e realizarei todas as suas fantasias, principalmente a possibilidade de ver sua amada fodendo com os amantes.
Nunca tive essa experiência, o “mundo cuckold” ainda não faz parte da minha vida sexual, mas sempre tive muita vontade. Desejo e quero muito! Não vou resistente a isso, pois é algo incontrolável e perturbador que parece ter nascido comigo, por isso resolvi viver essa vida de hotwife. 
LEIA MAIS AQUI

7.2.18

MENINAS: VOCÊS COSPEM OU ENGOLEM?

Existe todo um fetiche envolvendo o sexo oral masculino. No quesito “boquete” muitos homens apreciam algumas “coisinhas” que as mulheres podem ou não gostar. A principal delas é o que fazer com a porra do parceiro. Cuspir ou engolir?
Se você deixou seu parceiro gozar na sua boca, já é um bom sinal, mas dependendo do que você fizer depois pode cortar o clima e o tesão dele e comprometer o “granfinale”.
Você cospe ou engole?
O Seximaginarium Fez uma enquete sobre o tema no Facebook e, para nossa satisfação, 80% das mulheres curtem chupar e engolir – “Eu engulo faz bem pra pele.” “Se for pra cuspir nem precisava colocar na boca então. Engulo até a última gota.” “Não tenho frescuras e nem nojinho eu engulo até a última gota.” Só 20% não curtem engolir “Eu cuspo tem gosto de água sanitária kkkkkkk” “Cuspo na cara dele Se Ele jogar essa porra em mim!”.
Alerta meninas!: Nunca faça cara de nojo ao sentir a porra do gato na boca após o boquete! Isso não quer dizer necessariamente que você precisa engolir.
Existem outras variações interessantes caso você não consiga engolir por nojo ou por medo de alguma contaminação por bactérias ou vírus. Ao perceber que ele está prestes a gozar (existem alguns sinas que demonstram isso, pois o homem geralmente fica mais sensível na hora H) você pode deixar que ele goze nos seus seios ou até mesmo no seu rosto. Assim você se livra de do dilema cuspo ou engulo de uma forma criativa e bastante excitante para ele.
Engolir é a preferencia nacional masculina
99,9% dos homens declaram que ficam mais excitados ao ver a mulher engolindo. Os fatores que podem explicar esse fetiche são vários, como:
Sensação de poder e submissão da mulher, principalmente se ele souber que ela não gosta e que está sendo “obrigada” a isso.
Prazer sexual, pois ao engolir o gozo a mulher não precisa interromper o sexo oral e terminar com a mão, geralmente esse ato gera uma quebra, interrupção no prazer que não agrada a alguns homens. Nada como o prazer completo de atingir o ápice plenamente, sem interrupção.
Associação com prostitutas. Essa ideia de que mulher que deixa gozar na boca é puta já está bem ultrapassada, mas existem alguns homens que ainda fazem essa associação, principalmente se as únicas mulheres que fizeram isso foram realmente prostitutas. Assim, ao uma mulher não paga fazer isso eles se sentem excitadíssimos,
com a sensação de que foram para a cama com uma prostituta.
Intimidade. Alguns namorados e maridos adoram, pois sabem que a parceira faz isso como demonstração total de entrega, intimidade. Assim, eles se sentem mais próximos e conectados com suas parceiras. Fofo né?
Praticidade e “higiene”. Esse motivo é um pouco engraçado, mas muitos preferem, pois não precisam se limpar depois, sujando toalha, se lavando ou gastando papel higiênico. Muito pratico numa chupetinha no carro!
Fetiche. Alguns homens gostam disso, pois desde sempre acompanharam vídeos pornográficos em que a mulher sempre engole e isso criou um fetiche na cabeça deles e a busca incessante por uma mulher que engula tudo. Mesma coisa do deep throat e do sexo anal, isso tudo é muito explorado nos filmes pornô e para eles é o ápice do prazer sexual encontrar uma parceira que os agradem dessa forma, com todo esse apelo sexual inerente ao ato.
Algumas mulheres realmente engolem por prazer e por gostarem do gosto, mas a grande maioria faz apenas para agradar ao parceiro. Não importa o motivo, se você está disposta a fazê-lo saiba que irá proporcionar um imenso prazer a ele e um dos melhores sexos orais da vida, se não o melhor!
Fonte: Com informações do Blog Irresistível

5.2.18

ESPOSINHA SE “ACABOU” NA PICA DO NEGÃO

Minha esposa Helena sempre alimentou a fantasia de transar com um homem negro. Ficava muito excita quando assistíamos filmes com negões avantajados!
Conhecemos Paulo numa festa no final de 2017. Um negro bonito, alto, forte, extrovertido e bem humorado. Após esse dia Helena sempre comentava sobre ele. Pronto! Encontrei o negão que iria fazer minha esposa feliz!
Conversei com ele pelo whatsapp… Comentei que tinha sido o primeiro homem dela e após 15 anos de casados pensei que não seria justo a minha esposa não saber como seria outro homem. E, como sabia do tesão que ela tem por negros, ele seria “o cara”.
Marcamos um encontro num café. Paulo conduziu muito bem o nosso “papo”, sem tocar diretamente no assunto. Percebeu que Helena não estava tão à vontade, meio tímida e sem jeito. Falava pouco, mas o encarava com desejo.
Para quebrar o gelo brinquei:
-Amor, acho que você não está muito interessada na nossa conversa, quer ir embora?
Helena sem jeito respondeu em voz baixa olhando para mim:
-Sim, claro que sim, de onde você tirou isso? Não quero ir embora não…
-Então relaxe! Estou sentindo você tensa!
Na verdade eu sabia que Helena estava molhadinha, com vontade de levar aquilo adiante e “brincar” com a rola do Paulo.
Helena se levantou foi ao toalete e nos deixou a vontade para combinarmos melhor a nossa noitada.
-Paulo, Helena gostou de você, então vamos para minha casa nos divertir!
Paulo reforçou que seguiria as nossas regras, faria apenas o que quiséssemos. Seria o brinquedão da Helena!
-Bela casa Leo.
-Gostou? Confortável, bonita e o melhor: estamos a sós, nós e mais ninguém. Que tal mostrarmos para o Paulo nosso quarto, nossa cama?
Helena visivelmente excitada disse:
– Vamos, assim tiro essa roupa, tomo uma ducha e coloco algo mais confortável.
Enquanto Ela se trocava tomamos um uísque para relaxar.
Minutos depois Helena voltou do banho com uma camisola transparente, deixando à mostra os peitos, os bicos grandes e a calcinha minúscula marcando a buceta.
-Paulo ela não é gostosa? Muita mulher para um homem só, você não acha?
-Amor para! Assim fico envergonhada! Paulo fique a vontade, se quiser usar o banheiro tomar uma ducha…
Paulo saiu do banho. Na cama Helena chupava meu pau olhando para o Negão que, assistia a cena e alisava por cima da toalha, o pauzão duro.
Fiz sinal para que ele se aproximasse e se juntasse a nós:
-Olha só querida seu sonho de consumo, um pau grande todo seu!
Ela “me deixou de lado” e começou a chupa-lo. Engoliu a rola dele até engasgar.
Me afastei, sentei numa cadeira para apreciar a festinha entre os dois.
-Aproveite o presente que te dei, quero ficar olhando, observando e me deliciando. Chupa essa rola grossa. Lambe a cabeçona do Paulo.
-Amor obrigado! Era isso que eu sonhava um pau grande e preto. Paulo põe a camisinha e deixa eu te cavalgar, quero sentar na sua rola.
Paulo se deitou e Helena montou, encaixou, ajeitou a rola na buceta molhada e começou a cavalgar. Totalmente fora de si, gemia, passava a mão nos cabelos, nos seios… Ela gritava:
-Vou gozar negro gostoso. Enfia essa tora na minha buceta com força até o fim, vai safado, me transforma na tua putinha.
Paulo respondeu:
-Goza! Teu maridinho quer ver você gozando na vara do negrão.
Paulo tirou o cacete da bucetinha da Helena, arrancou a camisinha e colocou o pau na boca dela.
-Agora é a vez do negão te dar o leitinho. Safada! Bebe minha porra.
Eu assistindo aquela cena não aguentei. Aproveitei que minha esposa estava de quatro e meti no cuzinho dela.
Helena chupava com força a rola do Paulo e eu puxava os cabelos com força e socando o cacete com violência no cuzinho, Ela faz um pedido:
– Meus amores quero os dois paus juntinhos dentro de mim!
Apesar de apertadinha, Ela aguentou por uns 10 minutos as duas rolas. Gemia de dor e gozava muito!
No final ainda mandou que o Paulo gozasse na cara e na boca, pois queria uma foto lambuzada de porra de um negro.
-Negão goza na minha boca lambuza minha cara de porra!
Depois desta noite tesuda, continuamos saindo, várias vezes… Propus termos um caso fixo. Peguei de os dois de surpresa… Mas isso é outra historia!

2.2.18

SEMPRE TIVE PRAZER EM FAZER SEXO ANAL

Recebi esse texto de uma leitora do SeximaginariuM:
Não sei se dar o cuzinho é um defeito próprio de uma vagabunda ou uma deliciosa sodomia. O lance é que dando o cu me realizo e gozo como ninguém. E me parece, pelo menos é o que sinto, que a maioria dos homens adora a mulher que dá o cu sem frescuras. E eu dou. Ah, como dou!
Dizem que algumas mulheres fazem sexo anal só para agradar seu parceiro, mas eu faço porque gosto e porque mereço. Mereço sentir um macho bem despojado e acoplado às minhas ancas. Mereço um ferro quente e grosso me rasgando o lombo. Me cobrindo feito uma égua selvagem no cio. Tive uma amiga – grande amiga inclusive – que me disse, e soou como um elogio:
– Você se comportava feito uma vagabunda totalmente sem classe!
Não sabia que foder e dar gostoso o cuzinho para o seu homem, e fazer o que se gosta seja imoral. Enfim, cada um, ou uma, na sua.
Isso que eu sinto é tara, é desejo, e o bom nisso tudo é que sempre o realizo. Mas não pensem que é só isso. Simplesmente dar o cu. Não é nada disso. É questão de gostar do que se faz. E eu amo!
Primeiro aquele sarro gostoso do homem que me cobre – uma brincadeirinha deliciosa antes da penetração – umas lambidinhas em volta do buraquinho, uns dedos atiçados, uns tapas na bunda… Ah, só de pensar já fico cheia de tesão. O que eu gosto mesmo é de foder de lado e dar de lado.
Sabe qual é a sensação?
De ser a submissa do Dom. De ser a safada do gigolô. De ser a putona do proxeneta.
Aquele pau gostoso vai enfiando no meu rabinho e eu mexendo naquelas bolas cabeludas e cheinhas de leite. Aquelas palavras milagrosas que só o capeta sabe. Aquele reboliço de tira e mete até que o cacete se acomode ao furo… Que delícia! E quando ele entra, o meu corpo vai à cadência do rebolado frenético. Dou gostoso, faço gostoso e me empino mais gostoso ainda.
Gosto de dar o cu e isso ninguém me tira. Pensem o que quiserem de mim, mas não sou do tipo que um homem implora para comer o cuzinho. Eu simplesmente o ofereço de bandeja. E se isso é falta de virtude… Sou desvirtuosa mesmo, e daí?