26.11.15

A NOIVINHA GOSTOSA DOS SWINGERS CASALSÃOPAULO69

Os paulistanos Marcelo, 50 e Marcia 45 anos - casalsaopaulo69 - formam um casal voyeur, com alguma experiência no mundo swing. 
Começaram no "mundinho da troca de casais” Por interesse do Marcelo. Nosso primeiro contato com o swing foi em casa próxima ao Parque do Ibirapuera. Depois tivemos contatos com varias outras casas em São Paulo, BH e Rio de Janeiro. LEIA AQUI

 
 
 
 
 

20.11.15

SABE O QUE É SPANKING? - UMA PRÁTICA #BDSM ...

Iniciamos hoje uma série de postagens - com a colaboração do BDSMer Fluminenses - Casal "Sr. T e V" - sobre as práticas BDSM, que podem ser utilizadas para castigo, humilhação, afirmação de posse, prazer ou sadismo.
O jogo de poder na D/s é amplo, passando pelo domínio de um e a obediência do outro e toda uma gama de experiências que passam pelo físico, mental, emocional, sempre dentro desse domínio.
Para que esse jogo funcione, alguns componentes entram em cena, são os fetiches e fantasias que possibilitam vivenciar novos sentimentos e sensações, que são experimentadas através do que chamamos de práticas, aplicadas pelo Top (quem comanda) no bottom (quem se submete).
Todas as práticas feitas numa relação D/s passam pelo crivo do SSC (São, Seguro e Consensual) e a escrava está ali para ser usada pelo seu Dono, mas ciente e consentindo com tudo. O mais importante na D/s é o comando de um e a obediência de outro. De acordo com V, escrava do Sr. T "não tem nada melhor que ser usada por aquele a quem escolhemos servir".
Grande parte dos casais D/s marcam sessões e se encontram com essa finalidade, para fazer determinadas práticas, ou seja, um encontro exclusivamente para a sessão.
No caso do Casal "Sr. T e V", por dificuldades da distância, não marcam uma sessão, eles tem encontros onde várias coisas acontecem, inclusive sessões. "As coisas vão acontecendo sem estarem previamente combinadas, mais ao sabor do momento e do desejo".
As práticas dos BDSMer podem ser mutáveis - De repente pode surgir o tesão por uma prática nova e nunca experimentada. 
As praticas mais usualmente são:
Spanking
Chuvas (dourada e de prata)
Velas
Bondage
Humilhação
Pet Play - Dogwoman
Exibicionismo
Fisting
Dilatação Anal


SPANKING - prática do espancamento - é a atividade mais popular no mundo do BDSM. Assim como qualquer prática, pode tomar conotações diferentes dependendo do momento. Pode ser feito de várias formas e intensidades, dependendo do gosto e/ou sadismo de quem o aplica.
Pode ser usado como castigo, para humilhação ou por simples prazer. Os acessórios para spanking são muito variados - chicotes, canes, talas, palmatórias, varas, chinelos, cintos ou simplesmente as mãos.
Entretanto, quando se trata de spanking é preciso saber onde bater para não causar prejuízos graves à saúde do Bottom (Termos normalmente usados para identificar pessoas que interagem em sessões ou em atividades BDSM).

Zonas Verdes - áreas seguras
Zonas Amarelas - áreas de risco
Zonas vermelhas - áreas perigosas
Círculos roxos - áreas críticas

 
 
 
 

O Casal "Sr. T e V" pratica spanking moderado, nada daquelas marcas roxas ou sangue escorrendo. "Meu Dono pode pegar o que estiver à mão, um cinto, a guia da minha coleira, uma corda... Ele não usa chicotes porque são para spankings mais pesados e o que mais gosto é do toque dele na minha pele, por isso gosto mais quando me bate com as mãos". explica V.
V não é masoquista física. "Minha relação com a dor é sentir dor mesmo. No entanto, de algumas dores aprendi a gostar como nos seios, mamilos, genitália, que por serem zonas erógenas acabam provocando prazer ao toque, mesmo que seja em forma de spanking".
"Para qualquer uma dessas partes eu sempre vou achar mais gostoso se for com as mãos porque sinto o contato da pele dele. Mas é óbvio que qualquer Dono que leia isso vai pensar: "Então você quer moleza, né? Me aguarde..." (Deus me ajude que meu Dono não leia rsrsrsrs)".

 
 No caso do Casal "Sr. T e V" o Spanking acontece na intimidade, nunca em público porque eles não participam de plays públicas e na rua seria impossível por motivos óbvios. "Mas posso levar uma ou várias bofetadas em qualquer lugar, depende do motivo e/ou do tesão".
"É preciso ressaltar que o spanking, assim como qualquer prática BDSM, tem a finalidade de provocar prazer, satisfação ou realização. Os masoquistas têm genuíno prazer com a dor. Eu, V, não sendo masoquista, tenho satisfação em proporcionar prazer ao meu Dono, o que é também um tipo de prazer."
Dentro de uma sessão ou cena, seja ela pública ou privada, existe uma forma para o bottom parar a prática caso esteja sendo desconfortável ou mesmo insuportável para ele: a safe word ou palavra de segurança. Ela é combinada previamente entre as partes e é o sinal vermelho para que o Top saiba que o bottom está no limite de suas forças físicas ou emocionais e não tem mais condições de continuar.
BDSM não é agressão, é um jogo consensual entre adultos.

 
 
 
 
 

18.11.15

PASTOR PROMOVE CULTO DA UNÇÃO DAS CALCINHAS

Pastor da Igreja Cristã Renovação na Fé chocou os habitantes de Apiacá, município do interior do estado do Espírito Santo, ao divulgar por meio de panfletos e carro de som um culto especial onde acontecerá a Unção das Calcinhas.
O culto promete consagrar as peças íntimas das mulheres casadas, para que seus maridos mantenham o matrimônio sem experiências extraconjugais. 
Foi solicitado que as interessadas levassem uma calcinha na cor vermelha que nunca fora usada. Será derramada sobre ela o azeite da Terra Santa, que segundo o Pastor - "inunda de alegria, bênçãos e proteção os que são ungidos por esta graça".
"Muitos maridos vão se perder em traições, e algumas delas com experiências homossexuais”.
Quem quiser proteger o marido pode ir pessoalmente a Igreja Cristã Renovação em Fé!!
  

2.11.15

ENTREVISTA COM OS BDSMER DO BLOG UMA CANÇÃO E SÓ...

Em outubro passado propus entrevista apimentada (Talksexi)  com o Casal "Sr. T e V". Após algumas trocas de e-mail veio a resposta:
"Falei com meu Dono e ele aceitou o convite, o que me deixou muito feliz porque ele é um tanto arredio para essas coisas e muito sem tempo também. Sabemos que seu blog é um sucesso e por isso será uma honra, além de um grande prazer, participar do seu Talksexi e tentar passar alguma coisa boa e real do BDSM nesses tempos de Cinquenta Tons de Cinza".
Os BDSMer Fluminenses - Sr. T, 42 anos e V, escrava dele, 53 - se conheceram por meio da Internet e estão há 8 anos vivendo uma relação D/s (Dominação e submissão. As relações D/s são hierárquicas e por isso um manda e o outro obedece.)

LEO: Como foi o início, quando teve esse tesão pelo BDSM*? Como vocês - "Sr. T e V" - se conheceram?
*BDSM é um acrônimo para a expressão "Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo”.
"Sr.T e V": Comecei meio diferente da maioria das pessoas porque elas geralmente se interessam pelo tema, procuram se informar e então passam a frequentar o meio para tentar encontrar um(a) parceiro(a) e depois efetivamente viver uma relação.
Quando comecei, 13 anos atrás, não tinha nem consciência de que esse universo existia. Estava numa fase muito namoradeira, de muito sexo e sempre conhecendo pessoas. Certo dia conheci um Dominador que me apresentou o BDSM e ao BDSM. Demorei um pouco a entender, a me convencer que ele não era um louco disposto a me cortar em pedacinhos e colocar em uma mala e, assim, depois de seis meses de conversa (de longe, bem de longe), acabei encontrando-o e me tornando sua escrava.
Depois de entender o que significava me encantei com essa possibilidade de uma relação totalmente diferente dos moldes que eu conhecia, com hierarquia, sem muitos direitos, machista ao extremo em relação às escravas, litúrgica... As diferenças eram enormes, mas eu me encantei e hoje me sinto totalmente confortável dentro desse estilo de relação. Não que seja fácil o tempo todo, não é, mas de qualquer forma é muito bom.
Meu Dono atual (e espero que eterno porque sonhar não custa nada rs) eu conheci já na Internet, em uma sala "sado" do UOL. Hoje em dia não é mais possível conseguir parceiros sérios ali, mas para minha sorte, nessa época ainda era.
Atualmente as dificuldades em conseguir parceiros aumentaram porque com essa popularização tem muita gente no meio... Gente que não tem nenhum compromisso com as regras, conceitos, liturgia do BDSM, tentando subverter tudo para ficar confortável para eles e com isso descaracterizando a coisa toda, mas ainda existe a chance de viver algo legal com pessoas legais. Tem é que procurar bastante.

LEO: Quais as práticas BDSM de vocês?
"Sr.T e V": Todas as práticas feitas numa relação D/s passam pelo crivo do SSC (São, Seguro e Consensual) e a escrava está ali para ser usada pelo Dono, mas ciente e consentindo com tudo. E não tem nada melhor que ser usada por aqueles a quem escolhemos servir.
No nosso caso consideramos as práticas como meros acessórios, o mais importante na D/s é o comando de um e a obediência de outro. Práticas podem ser também  mutáveis, de repente pode surge o tesão por uma prática nova e nunca experimentada mas as práticas e fetiches  que mais gostamos e que praticamos usualmente são: chuvas (dourada e de prata); spanking; velas; bondage; humilhação; pet play - dogwoman; exibicionismo; fisting e dilatação anal. (semana que vem, dia 7 de novembro vou postar o que significa cada uma dessas práticas).

LEO: Ser BDSMer é um estilo de vida?
"Sr.T e V": Apesar de muitos considerarem um estilo de vida, não consideramos assim. É mais um estilo de se relacionar seja sexualmente, para praticar ou para viver mesmo um relacionamento cujos moldes sejam ditados por esse jogo de poder que é a D/s. Não andamos vestidos de couro ou com um chicote nas mãos e coleira no pescoço às 24h do dia.

LEO: Essa "adrenalina" toda, apimenta o sexo? Depois do BDSM "papai-mamãe", sexo convencional, ainda tem graça?
"Sr.T e V": Achamos que sexo tem graça de qualquer jeito... rs. Claro que a adrenalina é uma coisa muito boa e torna-se difícil voltar ao "papai-mamãe" depois de tanta pimenta, mas pode ser bom também curtir uma coisa mais calma, afinal, não sendo rotina, acaba tornando-se uma coisa diferente e que pode ser muito boa às vezes.

LEO: Vocês curtem exibicionismo?
"Sr.T e V": Curtimos muito, é um tesão. Eu, V, nasci exibicionista e meu Dono aceitou esse meu lado e incentivou sempre. Aí começou para mim uma fase diferente do fetiche por estar sujeito ao comando dele. É mais gostoso quando se tem um parceiro, um cúmplice nessas brincadeiras.

LEO: Qual e o limite numa relação BDSM?
"Sr.T e V": Os limites da relação têm base no SSC (São, Seguro e Consensual). Fora isso, o céu é o limite, tudo que nos der prazer é bem vindo.
sexo Entre nós nenhum limite, vale a mesma máxima, tudo que nos der prazer e estiver dentro dos propósitos do Dono.



LEO: O Blog, as fotos, mexem com o imaginário dos seus leitores? Vocês recebem muitas “cantadas”, convites, propostas "calientes"?
"Sr.T e V": O blog está retornando agora depois de quase 3 anos fechado, estaria completando agora 8 anos e estamos ainda no (re)início.
Mas sempre mexeu muito com o imaginário das pessoas sim por tratar-se de uma relação D/s que deu certo. As pessoas sonham em ter algo assim e então sempre mexeu nesse sentido
Quanto a cantadas, acontecem... mas o meio sempre foi muito respeitoso com as coleiras, então cantadas vêm mais de pessoas de fora do meio, e as mais variadas possíveis.
 Conheço muitos blogs pessoais como o meu - Uma canção e só . Blogs de assuntos gerais no momento só conheço o nosso, escravas & submissas cuja administração é minha mesmo, mas não é meu, foi criado por uma amiga e várias pessoas postam lá, e é muito procurado para quem precisa de informações, embora as atualizações no momento demorem um pouco por falta de tempo de todo mundo.
Infelizmente alguns sites que informavam sobre o tema, como por exemplo, Desejo Secreto, saíram do ar. Ainda existem site como o do sr Jota SM, do sr Carceiro que são antigos e os sites de relacionamento onde essas pessoas se agregam.
Os blogs BDSM caíram muito com o aparecimento dos sites de relacionamento, mas tem alguns ativos ainda que estou enviando aí para você...
Esses dois são de uma amiga. Ela e o Dono praticam, além de outras práticas, um tipo de exibicionismo muito interessante e que gosto muito, mas as histórias estão contadas aí.
http://sentimentossubmissos.blogspot.com.br/
http://desejosdeliriosecia.blogspot.com.br/



LEO: Já aconteceu algo que não rolou legal, que pegou mal... Ciúmes, alguma prática que não deu certo, algum acidente, coisas do tipo?
"Sr.T e V": Quanto a práticas não. Fazemos sempre o que gostamos e é como costumamos dizer: até quando dá errado, dá certo... rs.
Diz à lenda que submissas não podem ter ciúmes, mas acontecem às vezes, é uma coisa meio incontrolável e pode acontecer nos momentos mais inesperados.
Mas nunca rolou cena e em todos os casos a terceira pessoa nem chegou a perceber, até porque vale engolir os ciúmes em prol do momento, que é muito mais importante.

LEO: Vocês fazem sessões a três? A quatro? Rola sexo nessas sessões? Gostam de homens e mulheres? Separados ou tudo junto e misturado?
"Sr.T e V": Fazemos a três, sempre com mulheres bi. Homem na cena, só o Dono.

LEO: Já aconteceu algo engraçado?
"Sr.T e V": Temos algumas histórias engraçadas mas a mais marcante foi que em um dos nossos passeios avistamos um cavalinho branco pastando e o achei tão lindo que pedi ao Dono para tirar umas fotos com ele.
Queria, é claro, pegar no pau do cavalo. Dono com a câmera e enquanto eu aliso daqui, aliso dali, ele conseguiu girar a pata de um jeito que nunca imaginei ser possível e deu um coice. Foi um susto enorme, machuquei um pouco a perna, mas acabou tornando-se uma história engraçada: O dia que o cavalinho me rejeitou.

LEO: Uma fantasia
"Sr.T e V": A próxima. Sempre a próxima.