16.6.19

O DIA QUE LEO TIROU O "CABAÇO" DO MEU CUZINHO

Sexta-feira, hora do almoço, fomos ao cafofo (esse é o nome do lugar secreto onde nos encontramos) fazer estripulias, meter gostoso! O tesão era grande, principalmente porque de uns tempos para cá, começamos a nos provocar com estorinhas de dominador e submissa.
Naquele dia havia algo diferente no ar, uma conversinha de comer meu rabinho. Leo já havia feito uma tentativa, mas, como doeu muito, eu não consegui relaxar, o "cofrinho" ainda continuava intacto. Eu, Carolzinha, com quase 50 aninhos, nunca tinha dado o cuzinho.
Tiramos a roupa e fomos para a cama. O pau dele estava duro, e não me contive o chupei-o bem gostoso. Me esbaldei... até que inesperadamente, ele me pegou, virou-me de bruços, abriu minhas pernas e me colocou de quatro.
Estava eu ali, totalmente com a buceta e meu cu abertos esperando ser fodida pelo seu pau. Leo não vacilou - passou a língua no meu cuzinho, lambuzou de gel, enfiou o dedo bem devagar e depois colocou o pau no meu rabinho. Para relaxar, enquanto ele enfiava a rola, eu fazia movimentos circulares no meu grelinho.
Uau! Foi uma mistura de dor e tesão. 
Leo socou forte a rola no meu cuzinho fazendo eu sentir as bolas do saco dele batendo na minha buceta. Estava muito molhada, era todinha dele. 
Gozei duas vezes!
Leo me virou de frente, prendeu meus braços acima de minha cabeça e de novo, começou a me fuder no cuzinho abertinho, mas agora de frente, olhando em meus olhos. Até que entre uma estocada e outra, ele explodiu gozando gostoso.
Leo me virou de frente, prendeu meus braços acima de minha cabeça e de novo, começou a me fuder no cuzinho abertinho, mas agora de frente, olhando em meus olhos. Até que entre uma estocada e outra, ele explodiu gozando gostoso.
Meu cuzinho ardia de dor enquanto a minha buceta escorria de tesão.
Pronto! Desejo realizado. Ele queria "tirar o cabaço" do meu cuzinho e tirou!


Para chegarmos até esse ponto, foram anos de intimidade. Mais que isso - muita confiança para me entregar a um homem que não conhecia, mas que passei a conhecer porque iniciamos uma relação de trabalho lá trás. 
A relação profissional foi extrapolada para a pessoal onde se tornou uma relação frutífera de cumplicidade sexual, que construímos em cima de muita irracionalidade e paixão, ciúmes e de muita brigas e separações. 
Mas, o ingrediente que me mantem junto a ele, além do sentimento forte que sinto, é o tesão que caminha lado a lado com este outro sentimento. Uma relação especial, tipo "chave e fechadura". 
Permito ao Leo me dar uns tapas na bunda e na buceta, me chamar de putinha, de sua putinha, mas tudo isso ali, na cama do cafofo. Porque no final das contas, entre tapas e fudidas, o abraço apertado, o carinho, o olhar cheio de brilho sela toda essa cumplicidade de desejos sexuais tão intensos.
Casal Leo e Carol

8.6.19

ESPOSA TOMOU INICIATIVA E DEU UM “UP” NA VIDA SEXUAL DO CASAL

Após doze anos de casados Mirian decidiu tomar a iniciativa e dar um “up” na nossa vida sexual.
Aconteceu numa noite em que começamos uma preliminar deliciosa, minha esposa chupava meu pau de uma maneira diferente, engolia minha rola e olhava nos meus olhos com cara de safada. De repente colocou o dedo na boca, molhou com saliva, desceu a mão ate minha bunda e passou o dedo molhado no meu cu! Tomei um puta susto! Confesso que nunca tinha sentido nada parecido, mas a sensação foi maravilhosa. Ela continuou com o dedo lá e enfiou e depois outro. 
Quando eu já não aguentava mais de tesão, puxei-a pra cima de mim,  encaixei a buceta no meu pau e a gente fodeu gostoso até gozarmos. 
Perguntei onde ela tinha “aprendido” aquilo. Ela me respondeu que viu na internet e tomou iniciativa de fazer. No principio achou que eu não ia gostar.
Continuamos o assunto e fui pesquisar a respeito, li sobre inversão de papéis e fiquei muito curioso.
A prática de ela me foder com o dedo entrou na nossa vida sexual. Fizemos outras vezes, com algumas variações. Pediu-me para ficar de quatro, enfiou o dedo no meu cu e fez movimentos de vai e vem com ajuda do corpo. Depois de alguns minutos pediu para usar um brinquedinho (pinto de borracha). Aceitei a brincadeira. Ela passou lubrificante no brinquedo, me chupou e colocou a ponta do pau de borracha no meu cu. Relaxei e senti o prazer em ser fodido pela minha mulher e gozei muito! 
Próximo à data do aniversário do nosso casamento resolvemos nos presentear com mais brinquedos e, rapidamente, coloca-los em uso. Iniciamos nossa transa com as preliminares de sempre. Eu chupava a buceta dela até gozar e Ela fez um boquete delicioso.
Senti que aquela noite prometia! Fiquei cheio tesão esperando ela enfiar o dedo, mas me surpreendeu e enfiou a língua. Enlouqueci e quase gozei. Mirian enfiou um dedo no meu cu enquanto me chupava. Quanto mais tesão ela percebia em mim, mais ela me chupava e me fodia. Colocou mais um dedo, mais um e fez vai e vem!
Ela me perguntou se eu queria experimentar o strapon. Respondi que sim. Vestiu a cinta com o pau de borracha, passou gel no meu cu e enfiou. Mesmo reclamando de dor, ela continuou a empurrar bem devagar me pedindo pra ter calma e relaxar. Senti o pau inteiro, entrando e saindo, foi uma das sensações mais gostosas que ela já tinha provocado em mim. Depois de me fazer gozar me comendo gostoso, eu pedi pra ela ficar de quatro e aí foi minha vez de comer o cuzinho dela. Fodi com tanta força que gozei logo feito louco. 
Não consigo esquecer essa noite aventura maravilhosa. Pegamos gosto pela coisa e repetimos a inversão várias vezes, percebi que ela adora me comer o mesmo tanto que gosta de dar!