30.11.22

VOCÊ TEM O FETICHE DE SER UM CUCKOLD?



Uma rede social adulta voltada aos praticantes de swing, encontros sexuais, sexo virtual e exibicionismo, realizou pesquisa entre seus usuários para saber quais são os seus fetiches preferidos. A tara por cuckold foi a campeã entre os homens!

O aumento da pesquisa pelo termo é gritante também no Google - O número de pesquisas por cuckold aumentou em quase 800% nos últimos 15 anos. A procura pelo termo "corno" acompanhou.

Outra prova do interesse de brasileiros no assunto é a quantidade de pornografia temática para os tupiniquins. Só no XVideos, pesquisar por "Cuckold Brasil" te dá acesso à mais de 42 mil vídeos sobre o assunto. "Cuckquean Brasil" tem 23 mil e "Corno", 22 mil.

Ok, mas o que é cuckold?

Em português bem claro, cuckold é a tara por ser “corno”, onde um homem sente tesão em ver sua parceira transando com outras pessoas ("bulls"). Ser corno, para os praticantes, não é um problema, mas um objetivo.

Como funciona na prática?

O casal decide em conjunto como será feito e definem os limites e as coisas que mais excitam nessa tara. Como todo fetiche, há diversas formas de colocá-lo em prática. Algumas delas você pode curtir e outras não. Quer alguns exemplos?

A mulher sai para meter com o Bull e, ao voltar para casa, conta os detalhes para o parceiro.

A mulher traz o Bull para meter no quarto do casal enquanto o parceiro fica ao lado escutando a transa.

A mulher sai para encontrar outro cara e grava o ato para ser exibido para o parceiro ao chegar em casa.

O parceiro fica observando a ação entre a parceira e o Bull, sem participação.

O parceiro fica observando a transa e, logo após o Bull gozar dentro da mulher, o parceiro transa com ela. 

O parceiro participa da ação (sexo a três), alternando momentos de atividade e de voyeurismo.

Como conversar sobre isso com a parceira?

A primeira abordagem é sempre a mais difícil. Afinal, como quebrar o gelo de contar para a parceira que você quer vê-la com outro homem? Se não tiverem nenhuma outra prática liberal anterior, dar o primeiro passo pode parecer mais complicado ainda.

Uma dica para dar o primeiro passo: quando estiverem na cama incentive-a compartilhar suas fantasias mais secretas. Quando for a sua vez, conte sobre seus fetiches.

Se ela parecer receosa, achando que é uma espécie de "teste" para saber se ela quer transar com outros homens, seja sincero e desconstrua essa imagem. Descreva os detalhes, mostre-se animado com essa tara. Deixe bem explícito sua vontade e ela perceberá que não é nem de perto um teste.

Dê detalhes, diga como imagina a cena. Foque no que mais te atrai nesta ideia e deixe a sua parceira perceber o quanto isso te excita. Caso ela se mostre predisposta a topar realizar esta fantasia, conte alguns detalhes quando estiverem transando e peça a ela para imaginar a cena e lhe contar. Construam essa fantasia juntos. Lembre-se que para muitas parceiras pode haver dificuldade de se imaginar com outro homem, principalmente com você assistindo, receio de ciúmes, de não se sentir à vontade, de o cara fazer algo que possa desagradar vocês, por isto diálogo é fundamental para decidirem o que realmente irá acontecer e, principalmente, definirem os "limites" que o outro não está disposto a ultrapassar.

A partir daí, decidam como será o novo homem: pode ser alguém conhecido? Não? Vão levar ele para a casa de vocês? Se não for um conhecido, como vão encontrá-lo?

Você não precisa participar da prática, mas vale conhecê-la. Mas se der certo e “rolar” compartilhe conosco!


28.11.22

EDUCAÇÃO SEXUAL E OS FILMES PORNÔS GAYS

Muito da educação sexual e, principalmente, sentimental de um homossexual passa pelo conteúdo dos filmes pornôs gays. 
São neles que um certo "manual", como diz o crítico Boris Transar, em seu excelente blog impróprio para menores, pode ser entendido e repetido "ad infinitum" na famosa seqüência: preliminares, penetração e gozo. 
Como os viados na televisão ainda hoje se apresentam sem açúcar, sem afeto e sem beijo, os filmes pornôs acabam sendo a versão gay dos catecismos de Carlos Zéfiro, que tanto educaram a juventude reprimida das décadas de 1950 e 1960. A pornografia heterossexual cumpre outra função. 
Um amigo inglês, que faz a classificação desses filmes para todo o Reino Unido, me contou que muitas fitas pornôs héteros colocam a mulher numa posição deprimente. Em um deles, o cara fazia uma omelete dentro da vagina da atriz, tratando-a como um liquidificador. Esse amigo, hétero e bem-resolvido, me chamou a atenção para um certo romantismo dentro dos filmes gays de sexo explícito: "Tem muito mais beijo na boca e carinho pós-coito que muita comédia romântica adolescente". Se na "pornosfera" heterossexual a mulher é vista como um objeto manipulável, a realidade mostra que talvez fosse esse um desejo escondido dos homens. Desejo, ainda bem, não de todo realizado, pois as exigências de uma mulher hoje a levam para bem longe de ser uma batedeira. Já entre os gays, o sonho de romance nos filmes pornôs nos faz acordar para uma realidade: queremos amar. Nem sempre é fácil. Muitas vezes, não sabemos como, e, por isso, nos resta o sexo.
Vitor Angelo é jornalista e roteirista

25.11.22

MARIDO ASSISTE NEGRO METENDO CHOURIÇÃO NA ESPOSA PORTUGUESA


Queridas amigas, especialmente casadas que apenas se relacionaram sexualmente com os maridos e não só fantasiam ter sexo com outro homem mas desejavam mesmo que tal acontecesse, porém nunca confessaram as suas fantasias com receio da reação dos maridos, faltando-lhes coragem para os traírem, passam toda a sua vida sem saber o prazer que provoca um caralho diferente do habitual.

Bem planeado é possível um marido conceder à esposa a oportunidade de, pelo menos uma vez, ela ter a possibilidade de concretizar essa fantasia. Evidentemente que nem todos maridos aceitam e, mesmo para aqueles que aceitam, nunca será na primeira abordagem, mas sim em momentos de excitação, falado-lhe ao ouvido, fazendo-o compreender que ele assistindo ou participando não existe traição e não é uma foda com outro homem que o amor entre o casal ficará afetado desde que haja compreensão. 

Muitos maridos adoram observar as esposas gozando na pica de outro homem; sentem o seu tesão aumentar ao ver de perto o caralho entrando-lhe na cona (buceta) e no caso deste, por ter maior grossura a for dilatando lentamente, mais prazer lhe provoca. Para nós mulheres, só quem já passou por isso sabe das sensações maravilhosas que sente estar sendo fodida por outro homem na presença do marido. 

No meu caso passou mais de um ano para o convencer a liberar-me durante uma noite: propus-lhe a ida a uma boate swing, que não aceitou. Concordou finalmente no passado verão, se fosse num hotel com alguém desconhecido, por quem eu sentisse atração física, bem afastado da nossa residência, de forma a nunca mais nos encontrar. 

Decidimo-nos pela Republica Dominicana e para lá seguimos no mês de julho passado. Muitos turista, na maioria casais, o que não interessava. Foi quase no fim da estadia que surgiu no hotel um médico cubano, aparentando trinta e poucos anos. Mencionei ao meu marido que gostaria de passar uma noite com ele; ficou surpreendido por ser um negro. 

- Amor, queres mesmo que um negro te foda? Um negro em cima de ti metendo o chourição preto, enorme, na tua cona (buceta) tão apertadinha? - Sim, consta-me que são insaciáveis, quero experimentar se o aguento. Começamos a conviver com ele, insinuando-me eu algumas vezes, principalmente na piscina, até que um dia, após o jantar, convidamos para tomar um (vinho) do porto no nosso quarto. Ele aceitou! Nem sei se já se tinha percebido da nossa intenção, pois não demonstrou surpresa quando me viu apenas com um roupa semi-transparente, olhando-me pronunciou: 

- A Marg é mesmo sexy! Gosta? 

Ao que o meu marido de imediato acrescentou: 

- Se gosta está disponível para uma fantasia que temos. É a primeira vez que tal irá acontecer, portanto seja meigo. 

Ele nem queria acreditar que ia foder-me! 

- Posso mesmo? Não tenho é preservativos! 

- Nós temos. Sim? 

- Mas se são normais vão rasgar. 

Fiquei preocupada, qual seria o tamanho do caralho para rasgar o preservativo? Ao mesmo tempo decepcionada! Iria ficar tudo anulado? Não, não, ia ser carne com carne! Mais gostoso era, ele como médico não terá doenças e eu com contraceptivos não ficarei grávida. Entretanto ele prometeu: 

- Mas tranquilize que não gozarei dentro. 

Não contarei tudo que fizemos; levou-me ao colo para a cama onde me fez um prolongado minete (chupou minha buceta), que retribui com um boquete; o caralho era bem grosso, a primeira vez custou a entrar, mas depois foi maravilhoso, fez-me gozar como nunca tinha imaginado; era uma autentica máquina a foder e bem o fizemos até às 5 da manhã, eu não podia mais, tantos orgasmos debilitaram-me; disse-lhe que não podia mais, ele não se esporrava, mas eu pedi para gozar dentro, quis sentir-me inundada. Que intenso orgasmo obtive nesse momento, não parava de correr. 

O meu marido recusou participar. Disse depois que bastante o excitou ver quanto eu gozava, pois os meus gemidos bem o demostravam, especialmente quando em cima de mim ele meteu o chourição a primeira vez. 


23.11.22

DAISY DELACROIX: A BARISTA GOSTOSA DO ONLYFANS


A barista Daisy Delacroix vem fazendo o maior sucesso servindo café, milk shakes e energéticos no quiosque da Pink Pantherz Espresso que fica na El Camino, 2797, em Redwood City, na Califórnia (EUA).

Acostumada a atender os clientes de biquíni, ela conquistou uma base considerável de fãs no Instagram e no OnlyFans, onde gosta de exibir os figurinos que usa para trabalhar.

 “Simplesmente o melhor quiosque de café do mundo”, elogiou um internauta. “Você é maravilhosa”, disse outro seguidor. “Vou passar por aí para pedir um café”, comentou mais um. “É a melhor barista”, elegeu um quarto.

Algumas vezes vítima de comentários maldosos, Daisy ressaltou que as roupas “não são um convite ao assédio”: “A roupa não dá o direito. A mulher mostrar a pele não é um convite para uma agressão sexual”, disse ela.

A modelo acrescentou: “Nunca vai ser aceitável assediar qualquer mulher só porque ela está mostrando o corpo. Aprendam a ter controle, é nojenta a maneira como alguns de vocês pensam”, esbravejou.












21.11.22

SE CASE COM UMA GAROTA QUE CHUPA UM PAU ASSIM.



"Ganhei o primeiro boquete de minha esposa durante um de nossos primeiros encontros. 
 - O que? Nunca te fizeram um boquete antes? Vamos resolver isso já! 
Ela puxou minha calça e abocanhou meu pau. Senti seus lábios entorno da minha rola dura, sua cabeça se movia para cima e para baixo enquanto a língua rodava e lambia... 
Suas mãos agarraram minha bunda... ela enfiou meu pau mais fundo na boca, lambeu e chupou minhas bolas. Não aguentei e gozei! Ela continuou chupando até a última gota e engoliu toda a porra. 
 Me deitei exausto. Lembro de ter pensado que ela tinha feito isso muitas vezes antes de mim. 
 Quantas rolas ela já chupou, me perguntei? 
 Essa foi a primeira vez que pensei nela com outros homens".

18.11.22

O SEXO LÉSBICO


Percebi então que o que o senso comum considera como sexo é quase que simplesmente o tempo decorrido entre a penetração do pênis e o gozo. Tudo o que acontece antes e depois disso é considerado preliminar ou supérfluo. E tudo o que acontece sem um pênis não é considerado sexo. Intrigada, fui pesquisar no dicionário (Aurélio e Houaiss):

Sexo: sensualidade, lubricidade, volúpia, sexualidade.

Fazer sexo: copular, fazer amor.

Copular: unir, ligar, juntar.

Confirmei então minhas suspeitas: o que o senso comum considera como sexo é algo bem menor do que a própria definição do termo sugere. E percebi que nós, lésbicas, somos privilegiadas. Simplesmente porque quando nos relacionamos com outra mulher, já fugimos do senso comum, dos padrões, do que é pré-estabelecido. 

Temos que ser criativas, abertas, descobrir diversas formas de dar e obter prazer que vão muito além daquele feijão com arroz que a maioria acha que é sexo. Aprendemos a usar como órgãos sexuais várias outras partes do corpo além da vagina. Aprendemos a usar maravilhosamente as mãos, a boca, os dedos, a língua, as pernas. 

Aprendemos que o corpo todo deve estar envolvido numa relação sexual, e que podemos sentir prazer com todas as partes dele. E também que existem centenas de acessórios que podemos comprar para provocar sensações diversas. Mas podemos ir mais fundo nos significados de "fazer sexo". 

Se analisarmos as definições acima, podemos considerar sexo todas as preliminares, desde o primeiro beijo. Uma vez que duas garotas estão juntas e existe uma ligação, uma conexão, uma troca, a partir deste momento podemos dizer que o sexo já está acontecendo... Isso é o mais maravilhoso: perceber que o "fazer sexo" não começa na cama (ou na mesa, no elevador, no chão, dependendo da fantasia de cada uma), mas sim na hora em que o desejo surge. E isso a grande maioria de nós, lésbicas, já percebeu. 

Porque a natureza das nossas relações faz com que ampliemos nossa visão de sexo e aprendamos a sentir prazer de infinitas outras formas além da tradicional.

Não que todas as relações lésbicas sejam profundas... Mas em todas as relações lésbicas existe, sim, uma ampliação da visão do sexo e do prazer. E isso, por si só, já faz toda diferença. E é por isso que amo mulheres.

Muito prazer: O sexo lésbico por Dri Quedas – Mix Brasil (2008)

16.11.22

JOVEM É FLAGRADA COM AS CINZAS DO NAMORADO NO CUZINHO


Sarah Button, uma jovem australiana de 23 anos, foi flagrada pelos seguranças do Aeroporto Internacional de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, depois que o scanner identificou que ela usava um plug anal.


Sarah tentou explicou para os seguranças que o brinquedo sexual foi um presente de seu namorado que morreu há alguns meses. Mas se deu mal.

"Eu expliquei o que era, mas a funcionária idosa não gostou muito da explicação. Sem falar que os funcionários criticaram a 'vulgaridade' com que eu tentava me expressar"

A australiana disse que gosta de poder levar as cinzas do namorado dentro do plug enfiado no cuzinho, porque era o lugar que ele mais gostava de estar! 

"É muito legal poder levá-lo dentro do meu cuzinho para lugares que sempre sonhamos em ir. Minha vida mudou muito e eu gostaria que ele estivesse aqui para ver, mas estou feliz por levá-lo comigo para lugares como a Grande Barreira de Corais e shows de bandas que ele amava. Em dezembro, vou levá-lo para assistir ao show do Bring Me The Horizon", brincou. 

14.11.22

PELOS NA BUCETA - TÊ-LOS OU NÃO TÊ-LOS??


Faz algum tempo que me pergunto - Por que quase todas as mulheres deixam as xaninhas peladinhas? 

Todas iguais sem pelos, lisinhas, mas sem personalidade. Achei que isso fosse algo que só "se passava" na minha cabeça. Tempos atrás, conheci um Blogue português (desativado) que levantou a questão: As mulheres devem se depilar ou não?

"Os sacrifícios das mulheres (que inclui cremes, saltos altos, lingeries enfiadas na bunda...) são feitos para agradar os homens. A depilação das partes íntimas (buceta e cuzinho) incluídas.

Falo por mim, mas sei que não sou a única a achar isto um disparate. Agradar os homens? 

Eu uso cremes, saltos altos e faço depilação completa (um termo menos infantil do que pepeca careca). Nunca fiz para agradar nenhum homem e nem considero nenhum sacrifício. Fiz depilação completa pela primeira há mais de dez anos e nunca mais me vi de outra maneira. Faz parte da minha rotina como tomar banho, ir ao cabeleireiro ou usar a lingerie que me agrade. Tão natural que não me lembro de alguma vez ter perguntado a um homem se ele gostava do resultado. E muito menos de me perguntar se ele iria gostar (Como nunca me perguntei se ele gostava dos meus dois braços ou preferia que eu tivesse três). Me depilo porque gosto, para mim e não para estar dentro da moda “da buceta de menininha”, porque a sensibilidade acrescida a zona púbica depilada fica, é tudo menos infantil.”

Custa-me acreditar (ao contrário da autora) que existem mulheres que por não terem a depilação impecavelmente bem-feita se sintam inseguras e digam ao seu parceiro "hoje não". Se existem mulheres assim, são mulheres mal resolvidas e as suas inseguranças advêm de outros fatores que nada têm a ver com buceta peluda.

Passado algum tempo descobri um Blogue dedicado a mulheres de hoje e do passado que mantem ou mantiveram suas axilas peludas. Atualmente existe uma tendência em dizer que pelos são anti-higiênicos, isso é uma mentira deslavada, os pelinhos são parte do corpo e servem para proteger as mulheres de bactérias etc.” - Blogue Mulheres com Axilas Peludas (desativado em 12 de outubro de 2014)

Vamos discutir o assunto? Pelos tê-los ou não tê-los??

"Qdo estava noivo a minha futura esposa só depilava a virilha eu insisti e antes de casarmos ela depilou o monte de vênus, deixou os pelos na buceta. Depois de casados assumi a tarefa de depila-la fui aos poucos diminuindo a quantidade de pelos e os que sobravam abaixa com a tesoura depois comecei a depilar a buceta e o cuzinho ainda deixando um pouco no Monte de vênus depois avançamos para a depilação total e eu que fazia as vezes ela fazia com cera para durar mais
Até que paguei uma depilação a laser e ela se acha muito mais bonita desde que depilamos totalmente
Eu também me depilo para agradar a ela que acha muito melhor mais bonito e higiênico isso já tem mais de 20 anos assim"

"Aqui aconteceu algo bem parecido eu quem depilava a esposa e comecei a depilar meu saco e a base do pau, ela começou a lamber embaixo do saco e passar os dedos no meu cu para deixar mais higiênico aumentei a area depilada e ela me presenteou com deliciosos fis terra ( quem nunca experimentou se de uma chance) hj tanto ela qtk eu somos totalmente depilados e amamos a sensação"

"Nossa eu e minha mulher dos depilados total ela buceta e cuzinho eu púbis, saco e o cu também ontem foi delicioso chupar a buceta luzinha dela até ela gozar na minha boca depois foi a minha vez de ser chupado e ter o cu alisado pelos dedos dela até gozar na boca dela que delícia e sem pelos fica bem melhor"

"Simplesmente deliciosa uma mulher pentelhuda, chupo ela todinha , meu pau fica babando de tesão em uma buceta cabeluda"

11.11.22

LEITOR CUCKOLD BI PROCURA NAMORADA HOTWIFE


Já li bastante sobre o tema (cuckold/hotwife) também já vi vários vídeos e várias fotos, é um tema que muito me atrai. Esse fetiche já entrou na minha rotina psicológica. Quase todos os dias eu me pego pensando e imaginando uma vida junto da minha hotwife. 

Eu não sou submisso, não tenho tendência de sentir prazer na obediência, nem sexual, nem nos aspectos fora da cama. Na verdade, eu tenho bastante iniciativa e o meu maior prazer é imaginar eu buscando por outros homens para a minha namorada. Me excita quando imagino que eu vou escolher os machos para ela (claro que de forma consensual, sem abusos e com a participação dela, sem imposições minhas). O gostoso é imaginar que ela também vai sentir tesão no macho, mas é muito gostoso imaginar que eu vou escolher e que ela vai amar a minha escolha. Eu sou muuuuito voyeur. Acho que é o maior prazer que eu tenho. Me dá muito tesão quando imagino ela se exibindo com roupas provocantes (sem vulgaridade). Amo imaginar ela beijando de língua, pegando no pau dele. Sentada no colo tipo namoradinha dele, com muitos beijos e muito carinho. Não gosto do sexo "automático", amo ver as preliminares, os beijos, as pegadas, tudo como se ela fosse a namoradinha do macho. Sinto um tesão gigante imaginando-a deitada, ele por cima dela penetrando, ela gemendo pedindo mais e dizendo que ele é gostoso, maravilhoso e que ama dar para ele. 

É uma sensação maravilhosa ouvir que ela está completamente seduzida pelo tesão que sente por ele. Acho que é uma espécie de " humilhação amorosa " que eu sinto. Não sei de onde essa vontade surgiu. Só sei que é muito natural em mim. Claro que sinto tesão também nas palavras mais fortes, tipo ela falando que é a puta dele. Ela pedindo para ser fodida igual uma vadia e ele chamando-a de "minha puta". 

Então respondendo claramente a sua pergunta: sim, eu sou totalmente voyeur, mas não apenas isso. Eu também gosto de participar de tudo. Depois de olhar bastante eu quero foder, sentir o prazer de comer ela, participar do ménage, fazer DP, beijar, chupar e no final ficar na cama conversando, abraçando e beijando. 

Eu sou bi (mas não sou passivo) então, se ele também for bi eu aceito beijar ele, chupar e ficar nós três na cama se curtindo. Enfim, tentei ser o mais claro possível para que você entenda como eu sou. 

Meu e-mail: caiquechifre@gmail.com


9.11.22

PORTUGUESA EXIBICIONISTA DA CONA PELUDA


"No meu casamento anterior eu era muito exibicionista. Meu ex-marido, que infelizmente faleceu num acidente, pouco se importava e deliciava-se ao ver como eu da tesão em outros homens, na praia, nos parques, contribuindo imensamente para a sua excitação. 

Solteira, apenas com 28 anos de idade, não me inibi em continuar. Foi motivado por uma dessas exibições que o meu atual marido me dirigiu palavra... Disse-me depois de casados que foram os pelos vistos no meio das pernas que contribuíram para se aproximar de mim, pois sempre se sentiu atraído por mulheres peludas, particularidade esta que mais o excita e ser atualmente raríssimo encontrar uma mulher não depilada. 

Imaginei que na nova situação poderia continuar a exibir a minha cona (buceta), mas pura desilusão, este meu marido não consente, diz que apenas ele e só ele se excitará com a visão os meus pelos negros".

7.11.22

SEIS MITOS SOBRE SADOMASOQUISMO -#BDSM

A literatura erótica, principalmente o estrondoso sucesso de "50 Tons de Cinza" deu origem a um acalorado debate sobre práticas sexuais que sempre estiveram envoltas em tabus e preconceitos, o BDSM (bondage e disciplina, dominação e submissão, sadismo e masoquismo)

Os jogos eróticos retratados nessas obras são perfeitamente aceitáveis pelas pessoas ditas "normais". Homens e Mulheres que nunca tiveram contato com o BDSM, mergulharam nesse universo e começaram a praticar esse jogo erótico e sexual não convencional.

Estima-se que, de uma forma ou de outra, pelo menos metade da população está envolvida com BDSM. 

Pesquisa feita pelo Instituto Kinsey revelou que 55% das mulheres e 50% dos homens obtêm prazer sexual ao vivenciar algum tipo de dor voluntária durante a atividade sexual, com a aplicação de prendedores nos mamilos, uso de açoites, palmatórias, etc.

Assim como as atividades sexuais tradicionais, alguns jogos podem funcionar e outros não!

A pratica de BDSM tem que incluir dor? 

De modo algum. Só o fato de uma "submissa" estar ciente de que se encontra "desamparada", que alguém pode fazer certas coisas para ela e que ela não pode resistir de jeito nenhum, pode ser um poderoso afrodisíaco. Na verdade, a renúncia voluntária ao controle é citada como o principal estimulante do BDSM.

As ideias equivocadas mais populares, chamadas "Mitos do BDSM", impediram muita gente de explorar uma variação sexual surpreendente, altamente criativa, cerebral, sensual, divertida e muito tesuda!

Quem não curte ser um pouco atrevido, de vez em quando? 

Então, vamos ver os seis mitos mais comuns sobre BDSM e confrontá-los com a verdade.


Mito 1: Todos os Dominantes são agressivos. FICÇÃO!

O parceiro dominante (DOM) se importa de verdade com o bem estar físico, mental e emocional de sua submissa (Sub). Ele nunca faria algo perigoso com ela e seu comportamento limita-se sempre ao que sua parceira considere agradável.

"Codigos de segurança" são bem ensaiadas antes de começar a diversão, assim a submissa pode pedir para que o parceiro pare a "brincadeira" a qualquer momento. 


Mito 2: O Dominante está no Controle. FICÇÃO!

O trabalho do dominante é satisfazer as necessidades da submissa – isto é o que dá prazer ao dominante. Todo bom dominante sabe que o submisso é quem realmente está no controle.

Tudo o que uma mulher submissa tem a fazer é relaxar e curtir a viagem enquanto atos sexuais deliciosos são oferecidos a ela, que é a estrela do processo. Alguém a está servindo por suas necessidades, em um tipo de troca. O Mestre está coreografando toda a ação.

Os casais BDSM podem também optar pela filosofia da Segurança, Saúde e Acordo Consensual, um cuidadoso conjunto de regras que compõem o compromisso sexual em BDSM. O casal negocia antes de iniciar qualquer jogo, assim nada acontece até que esteja tudo previamente acordado.


Mito 3: Dominantes sofreram abusos na infância. FICÇÃO!

Christian Grey é retratado como Dominante porque sofreu abuso na infância. Este tipo de trauma apresentado como uma premissa psicológica válida para justificar a prática da dominação não é comprovada.


Mito 4: Submissas são fracas e tem baixa autoestima. FICÇÃO!

O contrário é a verdade da submissa. Elas abrem mão do controle porque são fortes o suficiente para fazer esta escolha. Somente um individuo corajoso, com o emocional fortalecido pode concordar em se deixar levar e confiar a si mesmo aos cuidados e proteção de um honorável parceiro DOM, que entende totalmente e reconhece o valor do dom da confiança que lhes foi dado.


Mito 5: Se você curte BDSM seu cérebro não está bem conectado. FICÇÃO.

Este é um mito muito comum. A maioria dos dominantes vão falar que suas submissas (frequentemente mencionadas como “clientes”) não poderiam ser mais normais. Elas não foram abusadas quando crianças, e grande parte possui nível superior.

Geralmente, elas não usam drogas, são confiantes, seguras, mentalmente estáveis, tendem a exercer cargos de considerável poder e controle em suas vidas. Você pode estar super apaixonado, em um relacionamento saudável e, ainda assim, amar BDSM.

Mestra Rikka, uma DOM profissional, compartilha sua visão: “Minha opinião pessoal, baseada em anos de experiência jogando profissionalmente, é que por mais inteligente e bem sucedido que um homem ou mulher seja, mais propensos estarão para aderir ao BDSM.

Qual seria o por quê disso? O maior órgão sexual que temos é o cérebro, se você é esperto, as suas fantasias serão muito mais ricas, detalhadas e não convencionais do que o resto das pessoas.



Mito 6: BDSM é fundamentalmente baseada em dor. FICÇÃO!

BDSM não é fundamentalmente baseada em dor. Trata-se de uma poderosa troca entre dominante e submisso, o que não necessariamente envolve dor, humilhação ou qualquer outra coisa que faça você se sentir desconfortável.

A razão pela qual a dor leve é considerada um ingrediente popular no BDSM se deve ao fato de que uma quantidade mínima faz a adrenalina bombear nas veias e, de repente, o receptor passa a experimentar cada sensação mais intensamente, inclusive o prazer.

Isto quer dizer que o dominante precisa infligir constante dor leve? De jeito nenhum! Você pode não querer nada que tenha a ver com dor, e isso é aceitável. Trata-se de preferência pessoal, e isso é uma coisa que você vai descobrir com o tempo. Você deve esperar por surpresas!

4.11.22

AVENTURA DE UM "HOMEM MADURO" DE PROGRAMA


Meu nome é Leonardo, 45 anos, faço "programas" com casais e mulheres, muitas delas maduras deliciosas. 

Essa história começa com uma postagem que coloquei aqui e recebi e-mail de um marido que, depois de 30 anos de casados, queria apimentar a relação, fazer ménage, mas, por escolha da esposa, com um homem maduro, não um garotão, pois ficaria mais à vontade. 

Após algumas semanas de conversa pelo WhatsApp marcamos um café para nos conhecermos "ao vivo e em cores". Paulo (nome fictício) extrovertido, bem humorado e inteligente, conduziu muito bem o nosso "papo", sem tocar diretamente no assunto. Percebi que a esposa Rosa não estava tão à vontade, meio tímida e sem jeito. Falava pouco, mas me olhava com desejo.

Por debaixo da mesa o marido acariciava a esposa e cochichou no ouvido dela, mas queria que eu escutasse:

- Amor você está excitada com essa situação?

Nervosa Rosa respondeu olhando para mim:

- Um pouco, quer dizer, muito!

- Estou sentindo que você quer que o Ricardo participe das nossas brincadeiras. Paulo se levantou, foi à toalete e nos deixou à vontade para combinarmos nossa "festinha". Ele me confidenciou que foi o primeiro e único homem dela e após esses anos de casados, resolveram fazer um ménage.

- Eu conheci várias mulheres, meti muito...não acho justo Rosa não ficar com outro homem, você me entende né?

- Sim, claro. Se vocês toparem será um prazer participar desse momento...ser o segundo homem da sua esposa! brinquei com ele.

Nos despedimos e ele ficou de me ligar caso a esposa tivesse gostado. 

Semanas depois, em uma tarde recebi a mensagem no "zap":

"Leo deu tudo certo ela gostou de você, venha sexta-feira à nossa casa, estaremos sozinhos, será um prazer recebê-lo".

"Combinado! Às nove estarei aí". 

O casal morava em uma linda casa, num bairro nobre de São Paulo.

Rosa visivelmente nervosa, veio me receber com um beijo no canto da boca.

- Tudo bem Leo? Entre e fique à vontade. Amor vou terminar de me arrumar e deixá-los conversando.

Aproveitei para conversar com o Paulo, reforçando que eu seguiria as regras deles, faria apenas o que quisessem, não tomaria a iniciativa e só participaria quando fosse convidado.

Minutos depois Rosa voltou para sala com um vestido curto, decotado, marcando a bunda e deixando à mostra parte dos seios. 

- Leo minha esposa é muito linda e gostosa, não é? É muita mulher para um homem só, você não acha?

- Amor para, fico envergonhada! 

- Vamos tomar um vinho para comemorar!

Bebemos muito, demos muita risada, Rosa cada vez mais soltinha propôs:

- Amor, que tal mostrarmos para o Paulo nosso quarto, nossa cama?

- Ótima ideia!

- Leo, se quiser usar o banheiro...

Enquanto eu tomava uma ducha, espiava Rosa seminua, bicos grandes e arrepiados, calcinha minúscula marcando a bucetinha peludinha, chupando o marido. Sai do banho alisando o pau duro por cima da toalha.

Paulo fez sinal para que eu me aproximasse e me juntasse ao casal. Ela soltou o pau do marido, arrancou minha toalha e começou a me chupar. Se lambuzava, engolia, engasgava-se...Ele se afastou, sentou-se numa cadeira para apreciar a cena.

- Aproveite meu amor, quero só ficar olhando, apreciando e me deliciando. 

- Você é o marido perfeito! Que tesão essa festinha só nossa. Era isso que eu sonhava... Leo, me deixa cavalgar, quero me sentar no seu pau. 

Me deitei Rosa montou, encaixou e ajeitou minha rola na buceta molhada e começou a cavalgar... Gemia, passava a mão nos cabelos, nos seios, beijava e gritava:

- Mete fundo na minha buceta, com força, quero gozar gostoso! 

Meti forte até ela gozar... depois tirei o pau da bucetinha dela, arranquei a camisinha e coloquei a rola na boca dela.

Paulo assistindo aquela cena não aguentou. Aproveitou que a esposa estava de quatro e meteu no cuzinho dela. Enquanto ele puxava Rosa pelos cabelos, com força e socava o cacete no cuzinho, ela me chupava e babava na minha rola. 

Quase gozando novamente fez um pedido:

- Amores quero os dois paus dentro de mim. Leo na minha bucetinha e o maridinho metendo fundo no meu cuzinho.

Apesar de apertadinha, ela aguentou bem as duas rolas juntas. Gemia de dor e gozava muito! Para terminar nossa farra pediu para o marido gozar na boquinha dela e lambuzar a cara de porra.


 Depois desse ménage delicioso nos encontramos e brincamos mais vezes, até o momento em que o casal se mudou para a Itália.

Dia desses recebi um zap do Paulo: 

Leo estamos com saudades de uma farrinha! Logo estaremos em férias no Brasil, nos aguarde!

Em breve contarei outras aventuras!

leo.lobo.sp@gmail.com

2.11.22

A INDÚSTRIA DO SEXO NA TAILÂNDIA


Na Tailândia milhares de ladyboys trabalham na indústria do sexo. Neste País, lar dos "ladyboys" ou "katoey" em tailandês, termo que abrange desde de um travesti a um homem que sofreu mudança completa sexo, o número de bares e clubes especializados no "terceiro sexo” têm aumentado significativamente ao longo dos últimos cinco anos, e são muito procurados pelos turistas estrangeiros.
Os Ladyboys (alguns com idade entre 12 e 14 anos), para alcançar rapidamente uma feição e um corpo feminino, recorrem à cirurgia da castração que basicamente envolve a remoção dos testículos (as bolas), que além de inibir a produção de pelos e cabelos, diminuir o desejo sexual masculino. Trata-se de uma alternativa rápida e barata para a completa mudança de sexo!
Nem sempre a cirurgia traz um bom retorno financeiro. Um número crescente de clientes que procuram os serviço de um Ladyboy tem o desejo de ser “comido” por eles, o que não é possível se eles forem castrados!


Recentemente o governo da Tailândia receoso de que as operações de castração podem causar graves prejuízos para a saúde mental e física dos ladyboys proibiu que todos os hospitais e clínicas privadas do País realizem a cirurgia em jovens com menos de 18 anos que tenham ou não o consentimento dos pais.
No entanto profissionais de saúde admitem que a fiscalização da proibição da cirurgia de remoção dos testículos vai ser difícil. A tal operação é fácil de ser realizada e rápida - de 15 a 20 minutos.