12.4.24

SEXICONTO DA LEITORA#3 TROCA TROCA ENTRE MÃES E SEUS FILHOS


Atendendo ao pedido do Leo do Seximaginarium e depois de consultar a minha amiga Sara, decidi relatar como foi o início do relacionamento sexual com os nossos filhos.

O convívio com a minha amiga era constante, dormindo algumas vezes em casa uma da outra. Os nossos filhos, Júlio e Luís, eram como irmãos e sempre nos acompanhavam, alegando recearem de alguém nos fizesse mal.

Acontecia que uma vez por outra eu encontrava no cesto da roupa suja cuecas (calcinhas) que não eram minhas, com indícios de porra e notava a falta de minhas cuecas (calcinhas) usadas. Comentei com Sara sobre isso e ela que me confessou que se passar algo semelhante. Mostrando uma a outra as cuecas (calcinhas) encontradas, descobrimos serem as nossas. Conclusão! Os nossos filhos se masturbavam com nossas calcinhas.

Indaguei meu filho Luís. “desculpa mãe. o Júlio, pediu-me que lhe levasse suas cuecas (calcinhas) e eu concordei se ele me entregasse as da mãe dele.”

Contei à Sara do tesão que provocávamos nos nossos filhos e ela teve uma ideia: “Porque não havemos de aproveitar o tesão que lhes provocamos para nos satisfazerem, se ambas sentimos necessidade de foder? Não gostaria que o Júlio te fodesse?” 

“Sim! E tu bem demonstras quer foder com o meu filho, porém creio que o Luís ainda não fodeu com nenhuma mulher.”

“Adoraria ser eu a primeira mulher dele, mas não tenho coragem de me oferecer.”

“Deixa isso comigo, a primeira vez irá ser quando dormirem em minha casa ou nós na vossa.”

Alguns dias depois Sara me perguntou se no fim de semana podiam dormir em casa.

Disse-lhe que sim!

Chegaram ao meio da tarde. Sara confidenciou-me estar bastante nervosa e eu para ser franca não estava menos. Havia 4 anos que estava em "jejum".

Tanto eu como ela tínhamos de trocar de cuecas (calcinhas) com frequência. Com a elevada excitação ficavam encharcadas.

“Estou nervosa, dizia a Sara. Tanto tempo sem foder sinto a cona (buceta) latejar.”

“Evidentemente que sim!” Respondi.

Chamei o meu filho Luís e disse-lhe: 

“Hoje tu e o Júlio não dormem no teu quarto; podes ir dormir no quarto da Sara, ela te espera e dizes a ele que pode vir para o meu quarto dormir comigo.” 

“Isso é verdade?”

“Sim. Não queres dormir ir com ela?” 

“Quero pois! O Júlio vai ficar louco, há muito tempo que te deseja.”

“Vamos para os quartos!” 

Assim fizemos, mas antes avisei que eles só fossem para lá alguns minutos depois. Meti-me na cama, somente com a luz de presença. Não valia a pena vestir algo além das cuecas (calcinhas) e sutiã porque tudo iria voar nas mãos do Júlio. Não tardou ouvir: “posso entrar?” 

“sim, claro!”

Notei que o olhar do Júlio me despia e o volume entre as suas pernas aumentou consideravelmente, pelo que deduzi devia ser bastante abonado. Quanto a Sara, tinha certeza que iria ser bem servida. 

 “O Luís já foi para o quarto da sua mãe. Por que não acende outra luz? Quero admirar melhor o seu lindo corpo. Podes acender.” 

O quarto ficou bruscamente iluminado. Ao vê-lo nu verifiquei que caralho era bem mais grosso que o do meu ex-marido: certificando-me depois ele ser realmente um veterano. Inicialmente acanhado perguntou se podia beijar-me! Em resposta só lhe disse: “Na cama sou toda tua.”

Sem pressa, após um longo beijo de língua foi o sutiã arrancado e os seus lábios e mãos percorreram lentamente todo o meu corpo, arrancando também as cuecas (calcinhas) ao atingir o meio das pernas exclamou: “que linda” e acariciando os lábios visíveis por entre os quais escorria abundante melaço, caiu de boca no meio deles e provocando-me o primeiro orgasmo.

Vários se seguiram, especialmente no 69, quando saboreei também a pica dele.

Foi uma noite inesquecível de sexo, melhor que a minha noite de núpcias, pois várias vezes fui ao céu e em que ambos gozamos até de madrugada. Apesar de bastante dorida entre as pernas, repetimos na outra noite.

A minha amiga, tão satisfeita ficou com a atuação do meu filho que, também passou a 2ª noite com ele.

Depois dessa semana nos reunimos e conversamos: “No futuro poderá ser sempre a assim, mas vai ser um segredo de nós 4 e fora dos quartos será como se nada tivesse acontecido, ok?”

Claro!!

10.4.24

CONFISSÃO DA MAMA#4 - SONHOS ERÓTICOS COM MAMÃE


"Mamãe estava limpando a casa quando notei o decote dela e que seus seios estavam quase à mostra. Eu inconcientemente fiquei com tesão e comecei a acariciar meu pau por cima da calça. Ela continuou limpando e seus peitos balançando e balançando... Como estava com o celular na mão rapidamente tirei uma foto do decote dela. 

Quando abri a foto para olhar senti as mãos dela acariciando minha virilha. Depois desse dia tenho sonhos com ela e sempre termino molhando a cueca."

8.4.24

CONFESSIONÁRIO CUCKOLD#51 - TESÃO PELA MULHER DO AMIGO


"Não querido, não sei qual livro você ficou de pegar com o meu marido, mas venha aqui em casa, tomamos um café e a gente procura juntos" disse minha esposa ao telefone para o meu amigo.



Meia hora depois, o amigo que compartilhava dos mesmos gostos literários que eu, estava tomando café com minha esposa com a camisola displicentemente aberta. Ele não disfarçar o tesão que sentia por ela. Desistiram de procurar o livro e o meu amigo preferiu socar com vontade o pau na buceta macia da minha esposa enquanto o aroma do café tomava conta da cozinha.


7.4.24

É NORMAL FICAR PELADINHA NO QUINTAL ?


Minha esposa não aguenta o calorão desse verão e resolveu andar pelada pela casa. Se descuidou, nem percebeu que estava nuazinha e foi estender a roupa no quintal.

Os meus vizinhos conhecem bem a minha esposinha, trepam no muro para admirar a esposinha gostosa! Mas quem não iria olhar uma mulher dessa, peladinha dando um show de exibicionismo.




5.4.24

TRAI MEU MARIDO COM UM GAROTO DE PROGRAMA


Sou casada com Marcos há 13 anos, tenho dois filhos pré-adolescentes. Meu marido passa cerca de uma semana por mês fora de casa, por causa do trabalho. No início do casamento, isso era gostoso, dava saudades e me deixava louca de vontade de transar. Depois do quarto ou quinto ano, mudei. Fui perdendo o pique e passei a transar, no máximo, duas vezes por mês. Quase sempre, sem vontade e fantasiando como seria excitante sair com outro cara totalmente desconhecido.

Tenho amigas que já traíram seus maridos, tiveram casos com colegas de trabalho e tal, mas não era o que eu queria. Queria alguém desconhecido, para quem eu não tivesse que olhar no dia seguinte. Alguém que nunca fosse ver meu marido e pensar: "Que corno!". Minha preocupação em preservá-lo era quase tão grande quanto meu desejo de experimentar uma relação com um estranho e acabei comentando isso com uma amiga. Foi aí que ela sugeriu a melhor forma de realizar essa fantasia, sem riscos: 

- Contrate um profissional do sexo. 

Ao mesmo tempo que isso me excitava, me dava pavor de pensar que alguém pudesse descobrir. E como eu chegaria no rapaz? Onde seria o encontro? O que eu faria com as crianças?

Tinha mil perguntas e não sabia como resolvê-las. Mas, essa mesma amiga tinha organizado uma despedida de solteira e pegou o contato de um dos rapazes que participaram da "festinha". 

Liguei para o Allan e fiz uma "entrevista" com ele. Perguntei como era o encontro, quanto cobrava, onde deveria rolar etc. Gostei da voz dele ao telefone, mas tinha tanto medo que acabei demorando três meses para realizar meu desejo.

O encontro rolou numa quinta-feira em que o Marcos estava viajando. Levei as crianças para dormirem na casa da minha sogra e me mandei para um motel com decoração japonesa. Cheguei quinze minutos antes do combinado, deixei a porta do quarto entreaberta e o dinheiro sobre o criado-mudo. Allan, um moreno de olhos verdes, cujo rosto eu tinha visto numa foto tosca que ele me enviou pela internet. Ele entrou devagarzinho, em silêncio, me tocando aos poucos. A chegada só não foi mais discreta porque o perfume que ele usava era forte demais. Mas seu toque era suave, gostoso e, ao contrário do que imaginei, o fato de não ter havido beijo (exigência dele) não atrapalhou a transa. Os toques foram, aos poucos, virando masturbação mútua e, depois, quando eu e ele já estávamos suficientemente excitados, a penetração aconteceu naturalmente (com camisinha, claro) e em silêncio absoluto, já que a ideia do diálogo me dava pavor. Eu gozei, ele acho que não, mas não foi a melhor transa da minha vida. Valeu mesmo pelo ineditismo da situação. Quando terminamos, ele se levantou, colocou a roupa, pegou o dinheiro no criado-mudo e saiu. Nem tão discreto quanto na chegada, mas igualmente educado.

Foi uma boa experiencia, mas não repetiria.


3.4.24

O POVO QUER SABER#1 - DAR O CU É VICIANTE?


"Dar o cu é viciante. Nem comece, porque você vai viciar. É rapidinho para gozar. Mas ultimamente não estou mexendo tanto com o cu. Eu namorava um cara com o pau menor, dava muito o cu para ele."

Marina Sena




1.4.24

SEXIBLOG - OBRA ABERTA DE (HI)ESTÓRIAS DE SEXO FICCIONALIZADO


Mês de abril começando resolvi escrever aos leitores do sexiblog, tentar manter uma comunicação mais proxima com quem lê e comenta nos sexiposts. Neste mês foram 47.000 visitas, gente de diversas partes do mundo! Além do Brasil 36,3 mil, Portugal 4,66 mil, Estados Unidos 3,53 mil, Reino Unido 310, Espanha 307, França 213 - espiam no SeximaginariuM. Isso é muito e dá o gás para continuar.

Nosso sexiblog é uma "obra aberta", um lugar para ler, descrever e discutir sobre o sexo e suas variações sem tabu ou discriminação. um espaço democrático onde todas, todos e todes podem, anonimamente ou não, podem opinar, comentar, deixar seu conto ou seu depoimento como esse da :      

"Queria um marido que fosse mente aberta assim e entendesse que o casamento não precisa ser o fim da relação de prazer entre o casal, mas sim o início. Não é pq eu tenho necessidades que meu casamento não consegue suprir que eu não ame meu marido. Sou mulher e tenho 38 anos e quero me sentir viva... e se meu marido é mais parado... não tem nada demais eu querer realizar meus desejos e necessidades... é apenas sexo! Sexo e sentimento são coisas diferentes. Eu só preciso de um tempo... uma tarde pra esquecer de casa, marido, trabalho, filha e relaxar... voltar leve pra casa. Mas é o tipo de coisa que meu marido não entende... acho que a maioria dos homens não entendem... acho que casal que se permite uma vida mais liberal, também aumenta a cumplicidade e apimenta a relação. Melhora tudo. Morro de vontade..."

Muitos sexicolaboradores mandaram contos e (hi)estórias de sexo ficcionalizado ou não, que iremos publicar! Mandem mais!

Leo

30.3.24

CONFISSÃO DA MAMA#3 - MEU GAROTO ME FAZ GOZAR MUITO!


"Estava no quarto falando ao telefone com uma amiga, quando ele chegou e foi tomar banho. Fiquei surpresa quando ele entrou no meu quarto nu, apenas enrolado toalha, que em certo momento escorregou deixando a mostra o pinto incrivelmente grande do meu garoto. 

- Desculpa mãe! 

Ele se sentou na beira da cama para conversar. A toalha se abriu revelando novamente o pau. Fiquei olhando fixamente para "aquilo tudo" e me deu tesão! 

Fui incapaz de resistir e controlar meus impulsos e acariciei o pau do meu garoto, que logo cresceu e ficou duro como pedra!

- Humm, você faz um carinho bem gostoso nele!

Isso se tornou frequente! Uma noite acabamos metendo, uma foda hardcore que faria os romanos corarem. Meu garoto me dá aquilo que nunca tive, orgasmos múltiplos de fazer perder o ar!

No final sempre satisfeitos nos beijamos com amor e carinho, descansamos por um momento antes de repetir nosso sexo incestuoso." 

27.3.24

CONFESSIONÁRIO CUCKOLD - A VIDA COMO ELA É #50


"Nunca tive a oportunidade de assistir outros machos arrombando minha esposa. Ela sempre sai sozinha com seus comedores, pois o trato é que nenhum deles saiba da minha conivência. 

São momentos de grande prazer - ver minha linda e gostosa esposa se produzindo para encontrar seus comedores, depois recebê-la arrombada e recheada de leite e cuidar dela."

25.3.24

SOMOS SIM! UM BLOGUE DE SEXO FICCIONALIZADO


Sim, o SeximaginariuM é um blogue temático com enfoque no sexo ficcionalizado, uma obra de ficção inspirada em algo real. Um lugar para ler, ver e descrever e discutir sobre o sexo e suas variações sem tabu ou discriminação. Há 15 anos, todos os dias, 2.000 pessoas anônimas, de diversas partes do mundo, resguardadas por seus pseudônimos, espiam ou deixam seus comentários e (hi)estórias - Willian, Ana Silva, Regina Curiosa 38, Xenon, Vasco Mendes, Bernardo Machado, Oscar Felipe, Cazalexibido24, Jotinha, Cuckold- GO, O Portuga, Ricardo José, Wolf, Carlos Lima, Joana Moreira, Marçal Diniz, novinho19, Maris dos Prazeres, Silvia Guerreiro, Bel, Edilson, Rafael Domingues, Libero ela, Artur Folgado, Um sobrinho só com tios, Uma curiosa, CasalLoira30, Um casal praticante de swing, Susana Albuquerque, Felisberto Campos, Mariana Pires, Grey Wolf, Casal a Dois ( ou três), Duas mães anônimas, LoboComedorSP40 - são alguns dos colaboradores do sexiblogue. Agradecemos!    

Semana passada Willian deixou um comentário que expressa o que os leitores gostam, procuram e esperam desse Blogue:

"Não estamos aqui para discutir juízo de valores, se a mulher que dá pra vários cara é puta ou deixa de ser puta, tanto porque a palavra puta não é nada mais nada menos que um termo pejorativo que deriva da palavra prostituta, ou seja, a mulher que faz sexo por dinheiro! 

Em algumas culturas mundo a fora que não são tão machistas quanto a nossa até existe algumas sociedades que vê com uma certa normalidade a mulher fazer sexo com outros homens fora do casamento. Mas aqui não é essa questão! Aqui é um blog para as pessoas que apreciam o tema do sexo livre e um espaço designado aos homens que tem o fetiche de ver suas amadas transando com outro. 

Então essa questão se a mulher é puta ou é freira dentro do mundo liberal não tem a menor relevância, é só rótulos criados pela sociedade moralista. No mundo liberal não existe escândalos e nem álibis apenas pessoas que vivem a vida sem se prender a rótulos, agora para quem gosta de rótulos é só ir para uma igreja ou a uma palestra de filosofia."

É a celebração do sexo e pode ser muito mais!

Sexicolaboradores - mandem contos e (hi)estórias de sexo ficcionalizado que publicaremos!

Leo