28.5.19

CASADO SENTE TESÃO EM SABER QUE A ESPOSA METE COM OUTROS CARAS

Moro em Guarulhos, sou casado a trinta anos. Tenho 53 e minha esposa 52, uma loira muito vaidosa, fez algumas plásticas, está superbem cuidada, pernas bem torneadas, bunda deliciosa, seios maravilhosos...Tesão de mulher.
Sempre achei que ela merecia e precisava de um bom macho. Eu nunca consegui satisfazê-la, gozo muito rápido, então resolvi que ela poderia sair com outros caras. Minha esposa achou que eu estivesse ficando doido, mas com o passar do tempo foi aceitando a ideia. Começamos a brincar virtualmente com outros homens na cam. Eu ficava ao lado dela, mas não aparecia. Logo apareceu um cara que lhe interessou e a convenceu a sair. O combinado era ela me contar tudo que tinha acontecido.
No primeiro encontro beijos, amassos, sexo oral, masturbação, mas não transou com ele.
Um dia esperei horas por ela em um shopping.  Fomos para casa e ela me contou tudinho. Meteram muito! Eu a chupei como nunca, sentia o cheiro da rola do cara, a buceta dela estava toda vermelha. Me contou que a rola dele era bem grossa e que o cara meteu nela de quatro com a calcinha de ladinho (sempre gostou assim) e adorou sentir o saco dele batendo na bunda.
Nesse dia coloquei a calcinha da minha esposa e tomei banho imaginando estar no lugar dela.
Ela saiu com esse cara várias vezes. Ele sempre se masturbava para ela antes da transa e ela ficava admirando e brincando com a rola do cara...usando a língua claro.
Uma vez ela pulou no colo dele, a camisinha saiu e o cara gozou dentro dela. Como eu fiz vasectomia e ela não tomava remédio, por segurança fomos a uma farmácia ela tomou “injeção do dia seguinte” para evitarmos qualquer surpresa. 
Depois desse, minha esposa saiu outras vezes com outros caras. Um dia meteu com um superdotado que acabou com ela. Me disse que havia sido o maior pau que ela tinha visto e que quase não cabia dentro dela, não entrava inteiro. Com o tempo a buceta foi se adaptando e ela adorava sentar-se naquilo.
Eu sempre comprava lingerie sexy, pagava salão, depilação, roupas novas, queria e ainda quero ela o mais gostosa possível.
Quando ela saia e eu não estava por perto ela me mandava mensagem falando com qual lingerie estava indo e eu passava o dia inteiro de pau duro imaginando-a trepando, chegava em casa louco.
Foram uns dois anos assim, porem ela arrumou um comedor fixo, um cara menos dotado, mas com a rola grossa. Saia toda quarta feira, sempre me contava tudo. Motel, calcinha, a trepada. Eu apaixonado e obcecado por lambe-la inteirinha e sempre me banhando com a calcinha dela, até comprei um brinquedinho para me divertir. 
Com o tempo ela não queria mais sair, mas o cara não. Ela resolveu pôr um fim, mudou o celular e desapareceu. Eu estou tentando convencê-la a voltar a ter um comedor. Quando saímos para passear, adoro exibi-la sempre sexy. Ela vai voltar estou quase convencendo-a ir em um massagista. Se der certo contarei aqui. Eu cada vez mais querendo trocar o brinquedinho, um pau de silicone, por um real. Ia adorar ficar de quatro, com a calcinha de ladinho, como ela!

24.5.19

CONFESSO QUE DEI O CUZINHO PARA UMA TRAVESTI

Desde menino sempre gostei de umas sacanagens com meus amigos de escola. Fazíamos troca-troca, dava o cu e comia, mas gostava mesmo era de chupar o pau deles. Isto aconteceu até minha adolescência.
Casei cedo, gosto de uma buceta, mas sinto falta de uma rola. Durante o sexo com minha esposa peço para ela lamber meu cu, enfiar o dedo… Gozo muito com isso!
Mês passado minha mulher foi viajar, fiquei sozinho em casa uma semana. Resolvi que ia “matar” saudades das sacanagens com os amigos… Voltando do trabalho, umas 19.00 h, resolvi passar pela av. Republica do Líbano para ver os travestis que trabalham ali na região e, quem sabe, pegar uma delas para me divertir. Passei por uma boneca loira que me chamou a atenção. Dei a volta no quarteirão e parei para falar com ela. Ao se aproximar do carro vi uma verdadeira mulher, alta, loira, de minissaia jeans, pernas lindas e uma rola pequena, mas deliciosa!
Acertamos o valor do programa e fomos a um motel ali próximo. Ao chegarmos fui tomar um banho (fazia um calor fudido). Quando sai vi Luana peladinha… Fiquei “sem palavras”… Comecei chupando aquela rolinha que ainda estava molinha e pequena… Depois de algum tempo já estava dura como uma rocha… Deixei-a enfiar na minha garganta até o fundo, lambia e chupava aquela delicinha até ficar no ponto para me arrombar.
Luana colocou a camisinha no pau e me comeu com jeitinho e carinho no começo, até o cu lacear bem, sempre lubrificando e colocando só a cabecinha no vai e vem bem devagarinho. Depois desta preliminar, cuzinho já alargado, começou a socar com força, bombou com vontade, entrei em êxtase. Começamos de 4, aumentando o ritmo das bombadas, que eu pedia e ela atendia, socava sem dó! Depois na posição “frango assado” bem frenético, eu só gemia e pedia pra ela me arregaça mais e mais. Eu via a boneca de frente me fodendo me segurando pelos tornozelos, cochas, socava e bombava sem dó, eu já estava tendo “orgasmos múltiplos” e via nos seus olhos e expressões faciais que ela estava frenética também, socou com força e velocidade até me falar que ia gozar Eu falei “goza gostoso dentro de mim” e assim ela fez. Depois começou a me acariciar e passar as unhas enquanto eu me masturbava, até meteu o dedinho no meu cu.


Depois foi minha vez. Luana fez um boquete gostoso, e depois ficou de 4, que bundona deliciosa, boa de dar uns tapas e umas apertadas com a mão. Coloquei a camisinha no pau e comecei um vai e vem devagarzinho e também frenético. Como ela estava com as pernas meio bambas pela gozada e pela rotina da academia pediu para trocarmos de posição – frango assado – soquei com vontade segurando suas lindas cochas, dando tapas na bunda e apertando seus peitos, meti, meti dei uns beijinhos na boquinha dela enquanto gozava gostoso dentro daquele cu macio.
Foi a melhor experiência sexual de toda minha vida. Quem sabe se eu não convenço minha esposa a fazermos a três: Eu ela e a Luana.

22.5.19

DEI MUITO GOSTOSO PARA O MEU MÉDICO


Tenho muito tesão pelo meu Médico. Ele não é ginecologista. Uma pena adoraria as mãos dele na minha buceta!
Quando vou ao consultório dele sempre marco um horário no final do dia. Além de mais tranquilo rsrs, podemos conversar mais…
Ultima vez que fui lá esperei para ser atendida até o começo da noite. Tinha comprado lingerie novo, bem pequeno, provocante para ver se despertava algum tesão nele. Quanto ele abriu a porta para atender a penúltima cliente, nossos olhares se cruzaram e percebi que pararam nas minhas coxas (estava com vestido curto que mostrava quase tudo).
Foi o bastante para dar asas à minha imaginação. Imaginei o Doutor me agarrando ali mesmo na sala de espera do consultório, sob os olhares de todos. Despindo-me vagarosamente, saboreando cada pedaço do meu corpo, deslizando a boca e chupando meus peitos e minha buceta!
Muito molhada, escorrendo, fui ao banheiro tentar me recompor da excitação que minha imaginação havia causado. Entrei rapidamente e me masturbei em uma tentativa louca de saciar minha vontade, queria aquele pau dentro de mim… Era meu maior desejo no momento. Mas tentei me satisfazer com o quem tinha – meus dedos. Gozei gostoso!
Voltei à realidade, olhei a minha volta e percebi que estava sozinha no consultório… Ele abriu a porta e me chamou.
Passei ao seu lado bem devagar, encostando meu corpo no seu, devorando seu pau com meu olhar. Ao perceber ele retribuiu sussurrando:
-Você esta muito linda e…
Fez algumas perguntas, mas não me tocou…
No dia seguinte, chegando ao escritório encontrei um recado do Doutor:
– Preciso repetir os exames. Agendei a consulta para amanhã (terça-feira) final da tarde.
Pontualmente lá estava eu, pronta pra ser “examinada”.
Entrei, ele trancou a porta… Sentou atrás de uma enorme mesa de vidro e, eu ainda de pé, percebia que me “comia com os olhos” acompanhado de um riso sacana.
– Tire a roupa e deite-se ali na maca, preciso lhe examinar melhor.
Percebi que seu pau estava duro…
Quer que eu tire tudo Doutor?
Ele sorriu e respondeu – Sim!
Não consegui conter minha excitação, arranquei minha roupa rapidamente e resolvi acabar com todo aquele clima frio.
Puxei suas pernas em minha direção, comecei a acariciá-lo. Abri as calcas dele e preenchi minha boca com seu pau, chupava muito alternando velocidades.
Ele se deitou na maca e sentei no seu cacete e me deliciei, rebolava descontroladamente, era um tesão que parecia não ter fim. Virei-me de costas, sentei novamente e comecei a gritar de prazer, já não me importava se alguém pudesse ouvir, queria extravasar!
Ele me fodia deliciosamente…
Tirei o pau da buceta e continuei chupando, louca para que ele gozasse em minha boca e melasse toda minha cara com aquela porra deliciosa. E foi o que aconteceu me deliciava com cada gota do seu gozo. Ele me deitou sobre a enorme mesa de vidro e gozei mais uma vez enquanto ele chupava na minha buceta.
O telefone toca… Era meu marido me lembrando de que iriamos jantar para comemorarmos nosso 10º aniversário de casamento!
Vesti-me… E fui pra casa feliz com o “presente” que o Doutor tinha me dado!

16.5.19

GOZEI MUITO ASSISTINDO MEU MARIDO DANDO PARA A TRAVESTI

Somos casados faz doze anos. Eu tenho 38 anos e meu marido 37. Somos liberais, conversamos sobre tudo, principalmente sobre fetiches e fantasias sexuais. Uma delas era transarmos com uma travesti.
Numa noite, voltando de um jantar, resolvemos passar por uma rua próxima à Marginal Tietê onde algumas travestis fazem ponto. Passamos devagar por algumas para sentirmos a receptividade. Uma delas, seminua, morena e muito bonita se insinuou exibindo o corpão e um lindo pau. Meu marido perguntou se ela topava sair com o casal.
- Sim claro, adoro um mènage!
Ela entrou no carro e fomos a um motel próximo dali. Durante o trajeto nos apresentamos e Brenda contou que fazia programas há pouco tempo.
Ao chegarmos ao motel deixamos que Brenda tomasse a iniciativa. Ela se despiu ficando somente com uma tanga minúscula deixando à mostra seu corpo lindo, bronzeado, com marquinhas do biquíni, seios e bunda grandes, firmes e redondos.
Meu marido logo se animou. Acariciou sua bunda e chupou seus seios. Assistindo aquela cena não me contive e me juntei a eles. Senti que Brenda se arrepiou ao meu toque, começou a me despir e retribuir minhas caricias. Meu marido ficou louco de tesão vendo aquilo, tirou a tanguinha dela e vimos o quanto ela estava excitada, seu pau estava duro. Coloquei a camisinha nela e comecei a chupa-la com vontade. Enquanto isso meu marido chupava a minha bucetinha que, a esta altura, ardia de desejo.
Brenda me puxou e me beijou na boca. Amei aquilo, nunca imaginei que uma travesti fosse querer meter comigo. Ela me beijou muito e queria mais, foi descendo para os meus seios, chupou por alguns minutos e continuou descendo até chegar à minha bucetinha.
Brenda me chupava de quatro arreganhando a bunda. Essa foi à deixa para meu marido, que já estava de pau duro batendo uma punheta, enfiar o pau no cuzinho dela. Ele segurando-a pela cintura, começou a meter primeiro devagar, depois mais rápido, com força, fazendo Brenda gemer de prazer.
Mudamos de posição e fizemos um trenzinho. Fiquei de quatro e Brenda meteu a rola na minha bucetinha enquanto meu marido comia o cuzinho dela. Brenda aumentou o ritmo e me fez gozar bem gostoso varias vezes!
Ela tirou o pau da minha buceta e se encarregou de deixar o pau do meu marido duro outra vez. Suas mãos experientes – uma batia uma punheta e a outra brincava na portinha do cu dele. Eu excitadíssima me tocava sentada em uma cadeira em frente à cama.
Brenda passou gel no pau e no cuzinho virgem do meu marido e falou:
– Fica de quatro que agora eu quero gozar!
Ela pincelou o pau e foi forçando lentamente para que ele fosse acostumando com aquela rola dentro dele. Brenda começou a fude-lo num vai e vem alucinante, meu marido gemia feito uma putinha e eu siriricava o vendo dando o cuzinho para a travesti. Para finalizar Brenda tirou o pau do cuzinho do meu marido e gozando jatos de leitinho quente na boca dele.
Gozei muito assistindo essa cena! Fomos os três tomar um delicioso banho. Depois desse dia, confesso q não vejo a hora de repetir esse dia.


13.5.19

PORTUGUESA CONFESSA O PRIMEIRO MENÁGE NA PASSAGEM DO ANO EM ANDORRA

Numa passagem de ano o ambiente proporciona sempre oportunidades para traições conjugais, práticas de ménage ou cedência de um dos cônjuges a outro parceiro. Foi o que aconteceu comigo. 
Tenho 35 anos, casada à 10. Havia já anos que o meu marido dizia sentir tesão ao pensar que podia ver-me dar para outro homem. Eu sentia uma certa curiosidade em experimentar outro pau, pois conhecia apenas o do meu marido. Não tinha, porém, surgido qualquer oportunidade até à passagem de ano 2018/19 na cidade de Andorra. Assim, numa localidade distante, com vários desconhecidos era algo que ficaria apenas entre nós. 
O meu marido deu-me plena liberdade de dançar com quem quisesse, que ele não iria dançar e se houvesse química com alguns dos pares com que dançasse ele não se importava que eu o convidasse para a cama. Fui dançar sem qualquer par, como aliás outras senhoras faziam, não tardou que um cavalheiro pedisse para dançar com ele. Não me neguei, mas não senti qualquer atracção por ele. Outras danças se seguiram com outros cavalheiros até que surgiu um que foi do meu agrado e passei a roçar-me mais por ele. Era espanhol, de nome Romero, de descendência marroquina, aparentava cerca de 30 anos, ao sentir o meu roçar chegou-se ainda mais a mim e perguntou-me? 
-Não és casada? Vi que estavas com um homem à mesa. Não é o teu marido? 
-Sim, é o meu marido, mas ele não se importa e creio que estás livre, sendo assim podes passar a noite no nosso quarto na presença do meu marido. 
Ela sorriu e apenas disse. 
-Quando quiseres podemos ir. 
Disse-lhe o número do quarto, deixamos a pista de dança e dirigi-me para o quarto com o meu marido. Pouco depois chegou o Romero. Eu já me encontrava na cama apenas com cuequinhas vestidas. O meu marido sentado no sofá estava nu e afagava o seu pau bastante teso. O Romero olhando para o meu marido perguntou? 
-Posso? 
Perante o sinal afirmativo do meu marido Romero despiu-se totalmente, olhei para o seu caralho, era bastante avantajado, eu ia finalmente experimentar como era sentir outro pau na cona. Chegando-se a mim logo me deu um beijo de língua, continuando de seguida até aos seios lambendo e chupando os mamilos. Não tardou a chegar às minhas coxas que beijou e lambeu, para me afastar depois as cuecas, beijando, lambendo-me os lábios vaginais e o clitóris. Que orgasmo fabuloso. Despiu-me completamente as cuecas e com o olhar fixo na cona exclamou: 
-Qua linda, tal como a dona. 
Aproximou depois o pau no meu rosto, que eu não hesitei em meter na boca. Puxei-o para cima de mim para um 69, que me provocou mais um orgasmo. Aguardava a todo o momento ser penetrada, o que não tardou, com o Romero no meio das minhas pernas afastadas pincelou durante segundos, que me pareceram horas, até ele meter lentamente, iniciando um delicioso vai vem. 
Várias posições se seguiram, desde a de quatro até eu cavalgar sobre ele e a DP com o meu marido, obtendo tão intensos orgasmos que nunca esquecerei. 
Esta foi a minha melhor passagem de ano. Não sei se alguma vez repetiremos outra aventura semelhante.
M. de Oliveira

10.5.19

PAPO DE MATCHO - BOCETÃO É COM O MAIÚSCULO !!

Quando um "bando" de homens (bando é mais que um) se junta pra jogar conversa fora, o assunto é quase sempre o mesmo - Futebol, Mulher, Carro, Mulher, Mulher... Principalmente Mulher!!
Claro que nunca aquela "a de casa", mas a outra, que o cara comeu, disse que comeu, quer comer ou vai comer.
Ai a conversa vira "conversa animada!" O cara descreve a gostooosa, fala como ela é, seus atributos, se fode bem, o que faz e o que não faz. Mas tem um adjetivo que resume uma mulher e que é autoexplicativo, que deixa qualquer cara com tesão, de pau duro e faz o tal "bando" morrer de inveja do cara.
- Galera ontem sai com um BUCETÃO!
Isso resume tudo! Não se trata do tamanho ou da qualidade do órgão genital feminino, Se trata do desempenho e da qualidade da Mulher, de como ela COME um cara, de como ela FODE um cara!
Não preciso me alongar. PAPO DE MATCHO é assim!

Escrevi esse post faz uns dois anos. Um comentário no SeximaginariuM me chamou a atenção. Além do conteúdo, a forma como ele grafou a palavra BOCETA (com O). Fui "pesquisar", não anatomicamente, mas sim a forma certa de nomea-la.

Caros sexileitores - BUCETA não existe!!!

O que as mulheres têm é BOCETA: (substantivo feminino) caixinha redonda, oval ou longa, feita de materiais diversos e usada para guardar pequenos objetos. Usada também para guardar rapé! Faz sentido a "tal caixinha oval e longa feita para guardar..."
Mas tanto faz... o que importa é que BUCETÃO (como O ou U) é BUCETÃO o resto é mulherzinha!


Ah! A Viviane Araújo continua sendo um puta BUCETÃO! com O maiúsculo!

A língua é esperta e dinâmica (em todos os sentidos). A grafia dicionarizada é BOceta, mas na língua falada a buceta prevalece. Sem contar que, para mim, buceta com U possui uma carga infinitamente mais erótica.
Não demora muito para que os dicionários registrem a grafia que está na boca do povo.
PD

Boceta com "o" me remete a uma piriquita graannde, laaarga, esgarçada...um bocetão grotesco.
Prefiro Buceta com "u", soa mais bonitinha... Bucetinha.
LadySiri

Os homens não mentem, exageram um pouquinho. O Bucetão pode ser aquela mulher que parece inatingível, que dá medo até de chegar perto até a menina do xerox. O Bucetão é platônico e democrático! Mas quando o Bucetão entra na roda, e passa de "acho que é" para "é", não tenha dúvida é um Bucetão!
CRUELA

Engraçado, mas não ouço muito este termo. Ouço e falo mais "que boceta", "uma bocetinha...", "deliciosa" e por ai. Bocetão é a da mãe de algum juiz, uma barbeira no trânsito, ou uma cavala, de uns 2m de altura.
Enfim, boceta não é tudo igual, nem o tamanho dos paus. Eu só vejo bocetinhas...
Tio Rogs

6.5.19

PERFIL DO BLOG "NOSSO CONTO ERÓTICO"

O casal dono do Blog NOSSO CONTO ERÓTICO (ele 36; ela 34) está junto há quatro anos e meio e casados há três. Gostam muito de sexo em suas variadas formas (anal, oral e vaginal), sempre com respeito e cumplicidade. 
“Nosso Blog é um canal para que postarmos alguns textos que trocamos como marido e mulher, além de narrar de forma bem erótica nossas relações em cima da cama”. 
O que o casal quer com o Blog? 
“Queremos que a imaginação dos leitores crie asas, o sangue corra por entre as pernas e quem sabe, os inspirarem a transar muito gostoso, sem frescuras e com muito amor e carinho”. 
A ideia de criar e colocar no ar o Blog NOSSO CONTO ERÓTICO surgiu a partir dos textos eróticos que ele escrevia e mandava com frequência por WhatsApp para a esposa. "Ela deu a ideia de acharmos um canal para divulgarmos os textos e resolvemos criar uma conta no Instagram. O lance do exibicionismo foi surgindo naturalmente, com casais pedindo fotos para ilustrarmos os nossos textos. Com o tempo, nos vimos postando fotos nus e trocando algumas imagens com outros casais exibicionistas. Encerramos a conta no Insta e criamos o blog, pois o Instagram não permite material explícito. Assim que as coisas foram acontecendo... Começamos a postar nossos textos e quando nos demos conta já estávamos fazendo fotos das transas e com vontade de compartilhá-las. Dessa forma o blog foi crescendo... Isso tudo aconteceu em novembro de 2018!"
O casal curte exibicionismo e confessa que se exibir dá um puta tesão. Não procuram casais para swing "nunca rolou nenhum tipo de convite para algo mais quente". 
Eles confessaram ao SeximaginariuM que já fizeram sexo em lugares inusitados e perigosos "Já transamos no mar, com a praia cheia e num estacionamento em plena luz do dia, fora do carro! Foi demais!! Mas, que ainda têm tesões e fantasias para realizar antes de morrer: Sexo anal, ir a uma praia de nudismo, fazer sexo na praia e no elevador e participar de ménage.



O casal escolheu uma das postagens do nossocontoerotico.blogspot.com para publicarmos aqui:

"..Já havia rolado alguns beijos. Já havia rolado uns pegas quentes dentro do carro na frente da casa dela. Mão boba? Claro, quem nunca? Mas o finalmente não foi rápido. Não por falta de vontade nossa. As coisas simplesmente aconteceram desta maneira. Demoramos um pouco para transar. Mas quando aconteceu....GSUIS!!!!
Fomos a um churrasco na casa de um grande amigo meu, depois disso, ela me intimou para irmos a uma balada de rock clássico aqui na nossa cidade. Amantes da boa música, não pensamos duas vezes e caímos lá. Entre cervejas, caipirinhas e Led Zeppelin, muitos beijos de língua, mão na bunda, beijos no pescoço e passadas de mão no meu pau, no meio da balada escura! Tinha que acontecer aquele dia. Eu estava com um tesão da porra, ela, eu imaginava, molhada. Um vestido azul, curto, com as costas totalmente de fora, exibindo sua tatuagem e delineando seu corpo perfeito me deixavam alucinado. Ela dançava, bebia, me beijava e me excitava. Eu queria aquele corpo, queria comer aquela mulher. A química é uma ciência exata. Nossos fluídos iriam reagir de uma maneira excitante.
Depois de Led, Pink Floyd, Janis Joplin, AC/DC, cervejas, caipirinhas e beijos, nossa hora chegara.
Levei ela pra um motel e lá meu tesão finalmente encontrou com o dela. Meu pau duro, sua buceta molhada, nossos corpos sem roupa. Nos despimos e, como uma criança num pote de doces, chupei e lambi seu corpo. Seu sexo delicioso, molhado me fez ter a certeza que toda aquela espera tinha valido a pena. Que mulher!! Ali, linda, gostosa, pelada, excitada, só pra mim.
Deliciosamente, ela sentou no meu pau e começou a mexer o quadril, esfregando sua bucetinha linda e molhada no meu membro que explodia de prazer. Ficamos nos beijando e nos esfregando por um tempo. O tesão cresceu tanto que ela gozou sem penetração. A primeira gozada dela comigo foi sem meu pau dentro dela. Neste momento percebi o quanto estávamos entregues um para o outro. Aquilo não era apenas uma foda qualquer. Provamos pra nós mesmos que a química é uma ciência exata. O match havia rolado da melhor maneira possível.
Foi com esse rebolado delicioso que ela gozou no meu pau. Depois de um breve 'descanso', começamos tudo de novo e quisemos sexo. Tive a maravilhosa sensação de sentir meu pau dentro dela. Molhada, apertada, quente. Gostosa, suculenta. Soube que iríamos transar muito mais depois daquele momento. Ela queria meu pau e eu queria muito mais sua buceta, seus seios, seu corpo, seus beijos. Hoje, olhando pra trás, vejo o quanto valeu a pena esperar alguns dias para comê-la. Hoje fazemos amor sempre que o tesão bate. Há quatro anos tenho tudo isso só pra mim. E ela me tem sempre que deseja."



4.5.19

NÃO SEI SE TERÁ SIDO O MEU PRIMEIRO CHIFRE, POIS O CORNO É SEMPRE O ULTIMO A SABER.

Sou casado ha 8 anos com uma sex louraça de 29 que perdeu a virgindade comigo. Algum tempo após o casamento comecei a imaginar que seria excitante ver outro pau entrar na sua cona, para isso propus fazermos uma ménage masculina. 
Disse-me que não porque tinha vergonha de ficar nua na frente de outro homem. 
Sucedeu, porém ausentar-me para o estrangeiro em serviço, ausência prevista com duração de um mês, mas que foi abreviada 3 dias, regressando ao "saudoso" lar, uma vivenda, num sábado, cerca das 22 horas. Ao estacionar o carro frente à vivenda e notando outro carro ali estacionado, levou-me a desconfiar que algo se passava. Assim entrei em casa no máximo silencio. Havia luz apenas no quarto e ouvi gemidos que vinham de lá que me pareceram de prazer. A coberto do escuro no corredor aproximei-me. A porta estava aberta e é com surpresa que vejo a minha esposa totalmente nua, deitada de costas, pernas abertas e levantadas e um negro com cabeça no meio das pernas dela, fazia-lhe um minete! Daí os gemidos que ouvia! Mas outra surpresa surgiu, quando reconheci no negro o nosso médico. 
Fiquei sem saber o que fazer, aquilo criava-me tesão. Nada disse e fiquei como expectador. Não tardou o negro retirar-se daquele posição e colocar o pau junto ao rosto dela, para que o chupasse. Ao ver as dimensões daquele pau, que mais parecia de um cavalo, julguei que a minha esposa iria assustar-se e nem lhe caberia na boca; mas não, agarrou-o com ambas as mãos e engoliu o que lhe foi possível. 
Ele deitou-se dessa vez sobre ela na posição inversa era um 69, chupavam-se mutuamente e ela mesmo com a boca cheia. Os seus gemidos de prazer eram intensos. Entretanto abandonaram a posição, ajoelhando-se ele entre as pernas dela para meter na cona aquele monstruoso caralho. 
Pensei: agora é que ela não vai aguentar! 
Mas aguentou mesmo, os seus corpos uniram-se, ele de novo em cima dela elevava e baixava as ancas num continuado vai vem, beijando-se, parecendo-me de língua. Apenas ouvi da minha esposa um ai, ai, certamente quando aquilo ia entrando, mas logo de seguida foram gemidos de prazer. 
Foderam durante largo tempo ficaram cansados, após aquela maratona sentaram-se na cama conversando algo que não percebia, mas não estariam ainda saciados porque a minha esposa levantou-se, debruçou-se na cama, com os pés no soalho, para que o negro metesse por trás. Estremeci, julgando que ia meter no cuzinho que ficaria arrombado, mas não, meteu na cona. Na posição em que estavam ia mesmo ver aquele grosso rolo de carne rija e preta entrar na cona da minha esposa. Ele pincelou os lábios vaginais com a cabeça da verga e meteu tudo numa só estucada. Ela deu um grito talvez de dor, porque o útero deve ter sido atingido com violência, mas de seguida começou a gemer e a movimentar as ancas, recuando-as quando ele puxava. 
Mantiveram o vai vem durante minutos até que ele ficou parado, segurando-a pela cintura. Retirou depois o pau pingando de esperma e da cona escorria tb grande quantidade. Ele tinha gozado dentro, mas ajoelhando-se absorveu tudo quanto escorria com os lábios e a língua. Voltaram a beijar-se e dirigiram-se à casa de banho. Depreendi que tinham terminado, pelo que retornei ao carro. Afastei-me um pouco, mas de olho na entrada. O negro dormiu com ela, pois só saiu ás 9 horas. 
Fui dar uma volta e regressei à vivenda cerca do meio dia. A minha esposa recebeu de braços abertos com beijos e abraços, mas notei que estava nervosa. Perguntou-me quando havia chegado. Disse-lhe ter sido naquele momento. Nessa tarde ela própria me levou para a cama, dizendo necessitar de sexo. Notando-lhe ter a cona inflamada alegou ter sido por se depilar. 
Passados dias perguntou-me se mantinha de pé a menage, pois tinha pensado que se fosse com o nosso médico aceitava porque ele já tinha visto parte do seu corpo. A até ouvir isto até sorri, recordando o que tinha visto. Concordei, já fizemos algumas menage com o médico ao qual ela cedeu o cuzinho que ficou arrombado. 

1.5.19

O CABACINHO DEVERIA SER COMO AS FLORES...

A quanto tempo não se vê um cabaço?
Tudo bem que quanto mais se usa uma buceta melhor ela fica! 
Só uma bucetinha experiente sabe aqueles segredinhos e truques que enlouquecem um homem, mas o cabaçinho exerce um fascínio sem igual. Não há nada como enfiar a mão numa calcinha, correr os dedos pentelhos abaixo até encontrar a grutinha e nela achar a membrana mágica, que esconde os segredos daquele lugar intacto. 
Um cabaço não deve ser tirado de pronto, deve ser apalpado ternamente, cheirado e saboreado como uma iguaria rara, elogiado com todas as palavras safadas que puder encontrar e só deve ser rompido quando estiver meladinho com uma estocada firme e segura.
O cabacinho deveria ser como as flores, nascer de tempos em tempos...

"Vadinho ria, a mão a conter o seio túrgido, o lábio a buscar a boca de dona Flor, como saber se era verdade ou bem mentira? 
Hálito de brasas... Fosse como fosse, porém, devia passar sem ele, se quisesse permanecer honesta, mulher direita. Era a única solução... 
Ela fora no acalanto e quando abriu os olhos já ele lhe comera o cabaço e honra de donzela junto ao mar de Itapoã."
Dona Flôr e Seus Dois Maridos, Jorge Amado