4.5.19

NÃO SEI SE TERÁ SIDO O MEU PRIMEIRO CHIFRE, POIS O CORNO É SEMPRE O ULTIMO A SABER.

Sou casado ha 8 anos com uma sex louraça de 29 que perdeu a virgindade comigo. Algum tempo após o casamento comecei a imaginar que seria excitante ver outro pau entrar na sua cona, para isso propus fazermos uma ménage masculina. 
Disse-me que não porque tinha vergonha de ficar nua na frente de outro homem. 
Sucedeu, porém ausentar-me para o estrangeiro em serviço, ausência prevista com duração de um mês, mas que foi abreviada 3 dias, regressando ao "saudoso" lar, uma vivenda, num sábado, cerca das 22 horas. Ao estacionar o carro frente à vivenda e notando outro carro ali estacionado, levou-me a desconfiar que algo se passava. Assim entrei em casa no máximo silencio. Havia luz apenas no quarto e ouvi gemidos que vinham de lá que me pareceram de prazer. A coberto do escuro no corredor aproximei-me. A porta estava aberta e é com surpresa que vejo a minha esposa totalmente nua, deitada de costas, pernas abertas e levantadas e um negro com cabeça no meio das pernas dela, fazia-lhe um minete! Daí os gemidos que ouvia! Mas outra surpresa surgiu, quando reconheci no negro o nosso médico. 
Fiquei sem saber o que fazer, aquilo criava-me tesão. Nada disse e fiquei como expectador. Não tardou o negro retirar-se daquele posição e colocar o pau junto ao rosto dela, para que o chupasse. Ao ver as dimensões daquele pau, que mais parecia de um cavalo, julguei que a minha esposa iria assustar-se e nem lhe caberia na boca; mas não, agarrou-o com ambas as mãos e engoliu o que lhe foi possível. 
Ele deitou-se dessa vez sobre ela na posição inversa era um 69, chupavam-se mutuamente e ela mesmo com a boca cheia. Os seus gemidos de prazer eram intensos. Entretanto abandonaram a posição, ajoelhando-se ele entre as pernas dela para meter na cona aquele monstruoso caralho. 
Pensei: agora é que ela não vai aguentar! 
Mas aguentou mesmo, os seus corpos uniram-se, ele de novo em cima dela elevava e baixava as ancas num continuado vai vem, beijando-se, parecendo-me de língua. Apenas ouvi da minha esposa um ai, ai, certamente quando aquilo ia entrando, mas logo de seguida foram gemidos de prazer. 
Foderam durante largo tempo ficaram cansados, após aquela maratona sentaram-se na cama conversando algo que não percebia, mas não estariam ainda saciados porque a minha esposa levantou-se, debruçou-se na cama, com os pés no soalho, para que o negro metesse por trás. Estremeci, julgando que ia meter no cuzinho que ficaria arrombado, mas não, meteu na cona. Na posição em que estavam ia mesmo ver aquele grosso rolo de carne rija e preta entrar na cona da minha esposa. Ele pincelou os lábios vaginais com a cabeça da verga e meteu tudo numa só estucada. Ela deu um grito talvez de dor, porque o útero deve ter sido atingido com violência, mas de seguida começou a gemer e a movimentar as ancas, recuando-as quando ele puxava. 
Mantiveram o vai vem durante minutos até que ele ficou parado, segurando-a pela cintura. Retirou depois o pau pingando de esperma e da cona escorria tb grande quantidade. Ele tinha gozado dentro, mas ajoelhando-se absorveu tudo quanto escorria com os lábios e a língua. Voltaram a beijar-se e dirigiram-se à casa de banho. Depreendi que tinham terminado, pelo que retornei ao carro. Afastei-me um pouco, mas de olho na entrada. O negro dormiu com ela, pois só saiu ás 9 horas. 
Fui dar uma volta e regressei à vivenda cerca do meio dia. A minha esposa recebeu de braços abertos com beijos e abraços, mas notei que estava nervosa. Perguntou-me quando havia chegado. Disse-lhe ter sido naquele momento. Nessa tarde ela própria me levou para a cama, dizendo necessitar de sexo. Notando-lhe ter a cona inflamada alegou ter sido por se depilar. 
Passados dias perguntou-me se mantinha de pé a menage, pois tinha pensado que se fosse com o nosso médico aceitava porque ele já tinha visto parte do seu corpo. A até ouvir isto até sorri, recordando o que tinha visto. Concordei, já fizemos algumas menage com o médico ao qual ela cedeu o cuzinho que ficou arrombado. 

3 comentários:

Anônimo disse...

Também gostaria de ver um negrão em cima da minha esposa, com uma verga bem grossa ir dilatando-lhe a cona, ela gritar que não aguentava tamanha grossura e depois de o ter todo dentro gemer com prazer ao sentir orgasmos fabulosos e a sua intimidade totalmente preenchida; mas certamente que nunca terei esse prazer, pois perdeu a virgindade comigo e quando lhe perguntei se alguma vez tivera a fantasia de estar fodendo com outro homem afirmou logo que nunca havia tido tal fantasia e homem algum mais a iria ver o seu corpo nu, que eu considero digno de ser apreciado, pois o seu corpinho aos 30 anos de idade tem tudo nos lugares certos.

Maria Eduarda disse...

Sempre há mulheres com muita lata. Então quando da proposta do marido para fazerem a menagem disse não aceitava por ter vergonha de ficar nua na frente de outro homem e depois na ausência dele já levou o medico negro para a cama conjugal. Sabe-se lá o que já teria acontecido antes no consultório?

Anônimo disse...

Ele já tinha comido sua esposa antes com certeza.