26.5.21

PROJETO60 - TROCA_TROCA: MINHA INICIAÇÃO SEXUAL

Éramos quatro: Papai, Mamãe, Carlos e eu, Leonardo, o filho mais velho. Morávamos numa rua onde existiam muitos meninos e poucas meninas. Os primeiros anos da adolescência foram de descobertas dos prazeres do sexo. Tinha uns 13 anos, “brincava na rua e no clube” com os amigos um pouco mais velhos do que eu: Pedro Paulo, Marcos, Fábio e a única menina, Andreia, uma prima de segundo grau que morava próximo de casa.

No verão, já em férias, íamos ao clube e ficávamos a tarde toda na piscina. Ao entardecer, banho e casa. Uma tarde, quando fui para o vestiário vi uma cena e fiquei desentendido – Numa das cabines de banho, Pedro estava com a sunga arriada, Paulo pegava no pinto dele e Marcos assistia tudo de pau duro batendo punheta. 

Cheguei em casa, jantei e fui para o quarto. Fiquei pensando no que tinha visto e não conseguia dormir. 

No dia seguinte fui ao colégio e a tarde depois dos meus deveres, fui para casa do Pedro. 

-Ué Leo, sumiu ontem? O que houve? Já sei você viu a gente no vestiário, né? Olha aquilo é uma brincadeira de meninos, nosso segredo! Se você quiser brincar vai gostar, mas tem que guardar segredo.

-Topei, pois não queria ser excluído da turma.

No dia seguinte me chamaram para “brincar”. Fomos para a casa do Pedro, o mais velho da turma, com 16 anos, que foi logo mandando:

-Paulinho, abaixa o short aí.

Ele obedeceu rapidamente e abaixou o short e a cueca.

-Olha que bundinha lisinha ele tem! Disse com cara de safadinho.

-Leo, abaixa a bermuda que o Paulo vai chupar seu pinto!

Arriei a bermuda e o coloquei o pinto ainda mole para fora! 

-Paulinho, chupe o pinto dele.

Ele pegou no meu pau, puxou o prepúcio e começou a lamber a cabeça e depois colocou na boca. Fiquei paralisado, pois era a minha primeira vez! 

Enquanto Paulinho chupava meu pau que já estava duro, Pedro forçava o pinto na bundinha dele. Paulinho abriu as pernas para facilitar que o pinto do Pedrinho entrasse um pouco no cu. 

Vendo aquilo, bati uma punheta desajeitada até gozar. A porra pingou no chão e tive que limpar para não deixar vestígios.

Quando saímos na rua Paulo perguntou:

-E aí, gostou?

-É legal.

-Se você quiser vou na sua casa e faço só para você, chupo e você pode comer minha bundinha. Olha isso é segredo viu! Fica só entre nós.

-Tá bom, mas eu acho que ainda não sei fazer isso...

-Eu te ensino a fazer troca-troca.

-Fazendo, é gostoso e eu aprendi assim.

À noite, na cama não consegui parar de pensar nas brincadeiras. Comecei a mexer no pinto, bati mais uma e gozei.

No dia seguinte, minha mãe ia sair com meu irmão e eu ia ficar sozinho em casa. Passei na casa do Paulinho e disse:

-Quer ir em casa hoje? Disse com uma cara sacana.

A empregada tinha ido embora e ainda tínhamos umas duas horas até minha mãe voltar.

O ritual se repetiu e Paulinho abaixou meu short e começou a me chupar.

-Leozinho quer colocar no meu bumbum?

-Sim, quero!

-Então você vai ter que chupar meu pau!

-Ha não, chupar não!

-Deixa de frescura, esse é o troca-troca, deixo você comer minha bundinha e você me chupa.

Meio sem jeito peguei no pinto dele e lambi. O gosto não era lá dessas coisas, mas tinha de fazer.

-Vai, lambe a cabeça!

-Tá chegando, vamos no banheiro e você bate uma para mim!

Me levantei. fomos, peguei no pinto dele e fiz um vaivém, até a porra sair do pinto e melar o vaso.

Ele se apoiou no vazo e coloquei um pouquinho no cu dele.

Escutamos minha mãe chegando, colocamos a roupa e descemos.

-E aí, a brincadeira foi boa? Perguntou Paulinho.

-Eu gostei!

Na sexta-feira Pedrinho me ligou para perguntar se podiam ir brincar de autorama na minha casa. Respondi que sim, minha mãe e meu irmão foram visitar uma tia e só chegariam à noitinha.

Montamos o autorama na sala e fomos para o meu quarto. Paulinho veio em minha direção e foi metendo a mão no meu pau.

-Calma Paulinho!

-Está bom, mas eu estou louco de vontade de te chupar!

Ficamos nus. Pedrinho se sentou na cama, pegou no meu pau e começou a bater uma. Não resisti e retribui o ato. Éramos garotos cheio de tensão! Paulinho ajoelhou-se na minha frente.

-Posso chupar?

-Pode!

Senti seus lábios tocarem meu pau e me arrepiei todo.

-Ai ai… que gostoso! Agora é minha vez! Disse Pedrinho.

-Vai me faz gozar!

-Gozar? Só se for na sua bundinha! Fica na posição de cachorrinho.

-Fico! Mas, Pedro coloca devagar, seu pau é grande.

-Deixa de ser frouxo, eu boto na bundinha da Andreia e ela nem reclama.

Fiquei paralisado! O cara come minha prima. Tá certo que são namoradinhos, mas...

-Pedro, você come o cuzinho da minha prima??

-Como, só o cuzinho ela é virgem, mas não fale para ela que te contei. 

Pedro agarrou Paulinho pela cintura e enfiando todo aquele pintão no bumbum dele. De vez em quando o pau saía, mas logo ele lambia o buraquinho e voltava a atolar. Não demorou muito para ele gozar. 

Lavamos o pinto e o cuzinho do Paulinho e fomos brincar de autorama.

À noite, novamente na cama não consegui parar de pensar nas brincadeiras da tarde e agora com minha prima Andreia dando o cuzinho para o Pedrinho. 

Mas isso é outra história.

Nenhum comentário: