4.3.22

MÃE QUEBRA TABU DO SEXO COM O FILHO


Meu filho tem 19 anos e faz faculdade de engenharia em uma cidade distante de São Paulo. Dois meses atrás Eric se machucou jogando futebol, quebrou o braço direito, machucou o esquerdo e estiramento da virilha. Veio aqui para casa para se recuperar e para que eu pudesse ajudá-lo. 

Três vezes ao dia precisava colocar gelo na região da virilha. Enrolei a bolsa em torno de um pote para que, quando formasse gelo, ficasse arredondada para acomodar em sua coxa.

Males que vem para bem. Era uma boa oportunidade para ficarmos juntos por um tempo, já que só o vejo a cada quinze dias. Depois de horas de conversa ele disse que queria ir para o quarto se deitar e pediu para eu levar a bolsa de gelo quando estivesse pronta. Como estava tomando analgésicos era normal estar com sono.



 

Uma hora depois a bolsa de gelo estava muito firme e arredondada. Tirei do freezer e fui para o quarto dele. Quando entrei Eric estava deitado na cama coberto com um lençol, percebi um volume na região de sua virilha. 

- Mae, não consigo me movimentar direito, você coloca o gelo? 

- Sim claro.

Me Sentei na beira da cama, puxei o lençol e percebi que ele estava de pau duro! Para que eu colocasse a bolsa de gelo corretamente, pedi para ele abrir as pernas para ter espaço para apoiá-la. Não pude deixar de olhar para “aquele volume” enquanto eu colocava o pacote de gelo em torno de sua coxa.

- Mãe, desculpa, mas este remédio me deixa um pouco excitado, é incontrolável. 

- Percebi, fique tranquilo rsrs.

Puxei um pouco o short e o pau “pulou” para fora! Eu não podia acreditar no que via. Uma rola muito grande. Em tom de brincadeira e para descontrair, Eric disse:

- Mãe, o do papai era assim também? 

- Você quer dizer o pênis dele?

- Sim mãe, era grande como o meu?

Eu não sabia o que responder - gaguejei, fiquei vermelha. 

- Sim filho, mas não tão grande. 

Muito “sem jeito” precisava dar um basta naquela conversa e fingir que nada tinha acontecido. Eu era a mãe dele e isso não era correto, mas confesso que fique excitada ao tocá-lo.



Os dias foram passando, quando eu pensei que as coisas tinham se acalmado, eu tinha acabado de colocar o gelo na coxa do Eric, ele diz:

- Mãe para ele amolecer preciso relaxar e não consigo fazer com as mãos imobilizadas. 

- Eu sou sua mãe e coisas assim são feitas em particular... infelizmente não posso te ajudar, isso é incesto. 

- Não pensei que você relaxar seu filho impossibilitado, seria incesto. 

Eric tentou tocar sozinho no pau bem na minha frente. Fazia movimentos desconexos para cima e para baixo. Enquanto ele se tentava bater uma punheta eu disse: 

- Filho, você não pode se masturbar na frente de sua mãe. 

- Mamãe, quando eu faço isso relaxa e ameniza a dor na minha virilha. 

Numa reação impensada estendi a mão e agarrei o pau quente e muito duro do Eric e comecei a masturbá-lo. Ele se deitou de costas enquanto minha mão subia e descia sobre a rola.

- Isso mamãe, me faça gozar.



Isso era um tabu para mim. Nunca em um milhão de anos eu pensei que isso aconteceria, mas agora não tinha como voltar atrás, eu estava masturbando com meu filho e ficando excitada e molhada fazendo isso. Nesse momento Eric me pediu algo impensável:

- Me chupe... por favor, chupe meu pau.

Não consegui deter meus instintos animais. Inclinei-me sobre ele e coloquei seu pau dentro da minha boca. Chupei com força, engoli cerca de metade, relaxei minha garganta e desci ainda mais até que eu realmente engoli tudo. 

Eu estava em chamas. Tudo o que eu conseguia pensar era o quanto de porra ele tinha acumulado e se eu deveria engolir. Beber o gozo do meu filho seria a quebra total de um tabu. 

Coloquei a mão dentro do short e da calcinha. Deslizei dois dedos na minha buceta encharcada enquanto continuava a chupá-lo profundamente. Eu estava me tocando enquanto chupava meu filho.


 

- Mamãe, tire o short e calcinha. 

Obedeci! O que ele tinha em mente? Por que ele disse para tirá-los? Será que quer algo mais? Eu sabia que nunca poderia ir tão longe. Chupa-lo era uma coisa, transar com ele era outra completamente diferente. 

Parei de chupá-lo. Eric se levantou da cama, me pegou pelos ombros, me colocou de costas com minha bunda empinada na beirada da cama. Eu estava em transe, minha buceta aberta na frente do meu próprio filho.

Eric colocou o pau na portinha da buceta, olhou para mim e disse: 

- Se você quiser mãe, pegue e coloque. 

Peguei seu pau enorme, empurrei a cabeça para dentro e pensei: foda-se.

- Coloca tudo, dê a mamãe seu pau grande. 





Eu não podia acreditar no que estava dizendo e fazendo. Eric começou a me foder e empurrou seu pau até suas bolas bateram na minha bunda. Ele continuou me fodendo mais forte e mais rápido. Começou a gemer e eu sabia que ia gozar. Agarrei seu pau, coloquei na minha boca e sua porra quente jorrou!



Paramos, recuperamos o fôlego e ficamos ali deitados sem dizer uma palavra. Eu estava tremendo. Foi a primeira vez que eu esguichei e gozei sem me masturbar.



Atualmente Eric vem para casa toda semana para me visitar. Sei que é errado, mas eu nunca estive tão satisfeita sexualmente. Não vivo mais sem a rola do meu filho. Obviamente ninguém sabe. A próxima vez que nos encontrarmos, eu quero que ele meta na minha bundinha, nunca fiz e quero que ele seja o primeiro. Parece terrível para uma mãe dizer isso, mas essa situação me deu uma nova forma de enxergar o sexo sem tabu!


Nenhum comentário: