8.7.21

PROJETO60 - METI COM A MINHA SOGRA
















Quando me casei tinha 30 anos e Carla 25. Como a reforma da nossa casa não tinha terminado fomos morar por alguns meses no apartamento da minha sogra Cristina, na época com 47 anos, alta, tinha pernas grossas bem torneadas, seios e bunda grandes. Uma coroa muito gostosa. Já tinha reparado no corpão dela quando íamos a praia. 

Separada fazia 10 anos, acho que não se relacionava com alguém fazia muito tempo. Carla falava "minha mãe precisa arrumar um namorado, para sair, se divertir e transar!

O apartamento que morávamos tinha dois quartos. Minha Sogra dormia com meu cunhado, Jair, 27 anos, em um deles e o outro era temporariamente nosso. Mas o lugar preferido para mim e minha esposa dormirmos era no chão da sala, de frente para o corredor de acesso aos quartos e ao banheiro.

Às vezes, tarde da noite, Cristina acordava, saia do quarto e percebia que eu e Carla estávamos metendo. Fazia que não via. Quando ia ao banheiro, apagava a luz, deixava a porta entreaberta e eu percebia que ela ficava espiando. 

A cozinha do apartamento era apertada. O corredor entre a pia e geladeira, mal dava para duas pessoas se movimentarem nela sem se esbarrar. Quando entrava na cozinha, minha sogra estava na frente da pia, camisola transparente, bundão a mostra.

Cristina perguntava: O que você quer, café? Está ali no canto da pia!

Não tinha outra maneira de alcançar a cafeteira a não ser passando por trás dela. Pedia licença, pegava na cintura dela e passava me esfregando. Como era pela manhã, eu usando shorts e pau ainda meio duro, ele seguramente sentia!

Depois de um mês morando lá minha esposa, começou a fazer um curso que terminava às 22 horas. Meu cunhado fazia faculdade e também chegava tarde. 

Numa noite de verão, eu tinha acabado de tomar banho, fui até a cozinha. Cristina, de camisola transparente, preparava o jantar. Repeti o gesto, peguei na cintura dela, pedi licença e tentei passar, ela se inclinou para trás. “Sem querer querendo” esfreguei meu pau na bunda dela. Meu sangue ferveu naquele momento, fiquei louco de tesão. 

Jantamos sem conversar muita coisa, acho que em função do que tinha acontecido na cozinha. Terminamos, fui para a sala para ver TV. Minha sogra se abaixou na minha frente para arrumar as almofadas do sofá. Como ela estava sem sutiã seus peitos quase saltaram para fora. Ela percebeu que eu estava olhando. Cristina se sentou ao meu lado, apoiou as pernas na mesa de centro, deixando as coxas grossas a mostra. 

Quanto mais eu olhava mais tesão dava e eu pensava: Quanto tempo será que ela não trepava? Será que está a fim??

Me perguntou se a porta da sala estava trancada. Vou ver! Quando voltei vi que ela percebeu que eu estava de pau duro. Ela não tirava o olho e comentou - Carla só chega as dez e meia, né? 

Sim! Apoiei uma das mãos na perna dela e fui puxando a camisola para cima. Ela tremia e a pele estava arrepia. rsrs

Rolou um delicioso beijo na boca. Tirei a camisola, passei a língua nos grandes bicos dos peitos, coloquei a mão na buceta peluda e encharcada. 

- Já vi você e a Carla namorando, quando vou ao banheiro espio rsrs. Ela chupa seu pau, quero chupar também!

Abaixei o short e coloquei a rola para fora. Ela se ajoelhou e começou a mamar devagarinho. Segurei-a pelos cabelos e fodi sua boca. Meu pau entrava inteiro na boca dela até ela se engasgar. Ela mamava gostoso! Melhor que a filha!

Arranquei a calcinha, afastei as pernas e cai de boca na buceta peluda, suguei o grelo até ficar duro! Chupava e enfiava dois dedos na buceta e minha sogra gemia, gemia. 



Pedi para ela ficar de quatro no sofá. Uma cena inesquecível - aquele bundão arreganhado, cuzinho e bucetona pedindo para ser fodida. Agarrei naquelas ancas e meti tudo com força, soquei a rola para dentro. Bombei forte! Senti que ela ia gozar então aumentei o ritmo e gozamos quase juntos. Gozei tanto que escorria porra pelas pernas dela. 

Relaxamos. meu pau amoleceu. Cristina se deitou peladinha do meu colo e disse: Na época que eu era casada, não se transava assim. Era só papai-mamãe. Meu ex-marido nunca tinha chupado minha buceta!

Ela foi até o quarto pegou duas toalhas e foi para o banho. Depois eu fui e fiquei pensando naquela trepada com a minha sogra. Não acreditava que tinha acontecido.

Carla chegou, deu boa noite e fomos dormir.

Na segunda noite, como de costume, Carla foi para o curso. Fui até a cozinha, minha sogra estava preparando o jantar. Usava uma camisola mais transparente e agora, sem calcinhas. Dei-lhe um beijo no pescoço, levantei a camisola, abri aquele rabão e coloquei meu pau na portinha do cu. Com as mãos apoiadas na pia ela forçava a bunda para trás para facilitar a entrada do meu pau!

- Devagar, que eu nunca dei o bumbum. O Vitor (ex-marido) não gostava! 

Comecei a passar o meu pau lambuzado de saliva no meio da bunda dela, forçava um pouco e parava. Brincamos um bom tempo deixando-a louca de tesão. Meu pau que não entrava, a saliva não estava adiantando, quando eu forçava ela gemia de dor e eu recuava, eu fazia de novo, enchia mais de saliva e tentava novamente entrar naquele cu, mas ela não aguentava de dor, eu queria machucá-la, pensei até em meter na buceta mas o que eu queria mesmo era aquele cu.

Olhei para os lados e vi um pote de margarina na pia. Não tive dúvidas, passei os dedos dentro do pote e lambuzei a cabeça do meu pau e entrada do cuzinho dela. Enfiei o pau que deslizou para dentro com facilidade. meti até o talo e comecei a bombar. Para deixá-la mais relaxada, enfiei os dedos na buceta e passei a siriricar ao mesmo tempo que metia no cu.

Aquele ato de loucura proibido me fez gozar muito rápido com o pau dentro do cuzinho da minha sogra! 

Fui dormir pensando na merda que aquilo poderia dar. Será que Carla vai perceber? Será que haveria confusão em nosso relacionamento familiar?

Pela manhã, quando cheguei à cozinha. o meu café já estava pronto. Cristina me tratou normalmente muito doce com um sorriso e perguntou:

Você vem jantar em casa hoje? Vou preparar algo especial para você.

Carla ouviu e disse: Mima seu genro, mima!

As noites desse verão foram muito animados. Minha sogra já nem camisola usava mais, cozinhava peladinha! E nossas conversas foram “apimentando” e conheci o lado B da Cristina. Mas isso conto depois! 



3 comentários:

Luís 1953 disse...

Muito bom😜

José Manuel disse...

É madura e bem apetitosa.

Wes disse...

Olá, estou iniciando uma acervo on-line de revistas playboy. Você poderia colocar meu link em sua lista de blogs amigos?
Link --> https://playboymagazines-collection.blogspot.com