9.4.22

PROJETO_60 - JOGUINHOS SEXUAIS DOS PRIMOS ADOLESCENTES


Na adolescência eu passava às férias na chácara da avó das minhas primas. Me juntava com a Débora, Rose e um primo mais velho, Fernando que morava em Ribeirão Preto. Brincávamos de várias coisas, mas o preferido era pique-esconde. 

Uma tarde, perdi no par ou ímpar, fechei os olhos, contei até cinquenta e os três correram para se esconder. Terminada a contagem saí à procura deles em vários lugares, mas não encontrava. Me lembrei de um galpão que ficava bem afastado da casa. Ao me aproximar ouvi sussurros. Abri a porta devagar e, para minha surpresa, flagrei Rose com a camiseta levantada, calcinha abaixada, peitinhos de fora batendo uma punheta para o Nando. Fiquei espiando, mas eles perceberam minha presença: 

- Oi primo estamos brincando um pouco rsrs. Você não pode contar nada para ninguém, tá! 

- Pode deixar, ficarei quieto, eu juro!

- Nós sabemos que você também brinca com a Dé e esse será nosso segredo!

Rose 12, loirinha, tinha peitos durinhos e bucetinha com poucos pelinhos. Nando 14, alguns meses mais velho que eu, era fortinho, bonitinho e muito safado.

- Fiquem aí que vou procurar a Débora.

- Ela sabe que vocês??

- Sabe sim, por isso não veio se esconder aqui. Deve estar te esperando rsrs.

Rose “sarrava” com o Nando escondido, mas Dé descobriu e, também prometeu segredo.



Debora com 13 anos, diferente da irmã, era bonita tinha um bundão empinado, peitões e uma buceta gordinha que marcava no short.

Encontrei Dé atrás do galinheiro.

- Demorou para me achar!

- Rose e o Nando estão no galpão...

- Ah! Você foi lá atrapalhar a brincadeira deles?

- Eu não sabia que eles... Atrapalhei um pouco rsrs.

- Vamos ficar aqui que é seguro.

Comecei a beijá-la, apertar sua bunda, alisava e chupar os peitos... coloquei meu pau para fora. 

- Chupa minha piroca!

Ela se ajoelhou abocanhou e chupou.

- Está chegando, bate uma!

Enquanto eu tocava na bucetinha ela se levantou, pegou no meu pau e bateu uma até eu gozar. Escutamos um barulho colocamos a roupa e fomos para casa. 

Dia seguinte acordamos, Nando com uma cara sacana disse:

- Hoje vamos brincar do que? 

Debora me olhou com um sorriso maroto e cochichou no meu ouvido:

- Hoje vai ser diferente! Eu quero brincar e levar a melhor!



Fomos caminhar, nos afastamos da casa para não correr perigo de sermos flagrados pela avó das meninas. Paramos à beira de um riacho, Nando tirou o short, ficou pelado e disse que ia nadar. Rose só de calcinha também entrou na água. Eu e a Dé nos afastamos dali em busca de um lugar mais tranquilo. 

Fomos logo nos beijando. Débora tirou o vestido deu um sorrisinho safado e disse:

- Coloquei essa calcinha para você!

Era bem pequena e enfiada na bunda. Tirei a bermuda, sentei-me numa pedra, ela começou a me chupar e eu tocar na buceta dela, senti que a xota estava quente, melada, meti a boca até ela gozar. 

Escutamos Nando chamar. Nos vestimos e fomos encontrá-los.

- E aí, a brincadeira estava boa?

-Nós estamos pensando num joguinho novo. Como já sabemos o que está rolando entre nós, por que não nos divertimos juntos e trocamos de primos? Rose e Nando já estavam decididos. Dé titubeou um pouco, mas topou. Eu sabia que ela tinha uma “quedinha” pelo Nando... também achei tesudo o jogo.

- Vamos lá para o galpão que é mais seguro.

Chegando lá, todos juntos no mesmo lugar, tirei meu short, pau estava duro, abracei a Rose e meti a mão na bucetinha dela.

- Tira a roupa, fica peladinha!

- O que, peladinha?

- Deixa de besteira, Debora faz isso.

Ela tirou a camiseta e a calcinha como eu pedi.

- Delícia de bucetinha, lisinha sem pelinhos. 

Coloquei o pau no meio das coxas dela, molhei meu cacete na bucetinha, mas não meti só roçava o pau. 

No outro lado do galpão Nando beijava a Dé, levantou o vestido, abaixou a calcinha e enfiava a língua na buceta dela. À medida que ele chupava, ela se empinava e mordia os lábios. 

- Fica de quatro?

- O que?

- Quero colocar na sua bundinha. 

- Na bundinha? Comer meu cuzinho?

- Deixa vai, eu meto na sua irmã e ela não reclama.

Ele colocou o pau nas coxas e foi forçando.

- Nando, mete devagar só no cu, na frente não, sou virgem. 




Nando cravou as mãos nas ancas dela, puxou e enfiou o pau. As vezes o pau do Nando escapava, mas ele lambia o cuzinho dela e voltava a meter. Débora estava acostumada a dar a bundinha, eu mesmo já tinha comido várias vezes. Não demorou muito para ele gozar. 

Eu também queria meter e gozar na minha priminha Rose! 

- Primo vai com calma para não doer. 

- Relaxa gatinha vou molhar e colocar meu pau devagar.

- Vai gozar? Quero ver você gozar.

Ela ficou de quatro, se arreganhou, eu meti a cabeça, depois o pau inteiro no meio das coxas dela. Rose mexia a bunda para frente e para trás, não aguentei e gozei. 



Passamos cerca de dois anos nessa brincadeira de troca-troca de primos, até que o pai do Nando se separou da mãe e o levou para morar com ele fora do Brasil. 

Depois de um tempo Débora me contou que, numa dessas férias no sítio, o Nando tirou o cabacinho dela e que a bucetinha estava liberada nas nossas brincadeiras.

Ela contou para a Rose o que aconteceu entre eles. A priminha mais nova prometeu que quem tiraria o selinho dela seria eu!


Um comentário:

Kátia Rebelo disse...

É normalmente nos joguinhos de adolescentes que as primeiras fodas acontecem. Eu já passei pelo mesmo e todos os adultos devem estar cientes que isso sucede porque também eles foram adolescentes.