26.8.22

O PRAZER DOS MARIDOS VENDO AS ESPOSAS COM OUTROS HOMENS


"Foi por mero acaso que descobrir este blog e por ele tive conhecimento de haver tantos maridos a sentir prazer observando as próprias esposas fodendo com outro homem; sempre imaginei que todos teriam ciumes, pois é esse motivo de muitos se tornaram assassinos ao terem conhecimento que foram traídos. Fiquei no entanto bastante surpreendida quando certa noite o meu marido me segredou se alguma vez já tinha fantasiado estar sendo fodida por outro homem. A minha reação foi tempestuosa; de imediato pensei que era para me experimentar se já teria sido traído. Apaziguou a minha fúria alegando nada disso se tratar, mas estar sim obcecado por me ver gozando sexualmente com outro homem. Mais furiosa fiquei. 

O que se passa contigo? De onde surgiu essa ideia? Como é possível, após 15 anos de casados, com 2 filhos nossos e 38 anos de idade, quereres que outro homem me foda? Não só que outro homem foda como ainda estares presente? 

Amor, és e serás sempre a minha querida esposa, o meu amor, a confiança que tenho em ti é total, mas não és minha propriedade, lá vai o tempo em que todos os maridos assim pensavam, creio que o meu amor por ti duplicará; considero que tens todo o direito de gozar, e obteres o prazer que uma mulher pode usufruir, aproveitares bem o que pode proporcionar tua ainda juventude, mas a nada te forçarei, deixo â tua consideração Ainda foste só minha, noto que continuas a ser desejada por muitos homens, teria todo prazer que conhecesses intimamente pelo menos mais um. 


Não creio que, quanto ao desejo sexual, as mulheres sejam muito diferentes dos homens, foi a religião que estabeleceu para que mulheres praticassem sexo apenas com os maridos e são mal vistas pela sociedade todas as que assim não procedem, motivo porque tantas há que o fazem a ocultas dos próprios maridos. Ora, se o fazem a ocultas dos maridos porque não poderão faze-lo com seu conhecimento? Portanto eu vou mais além, estando presente demonstro que tens todo o meu apoio. Apesar daquele diálogo me ter excitado imenso, não sei se era imaginando-me na cama com outro homem, ou ter sido esclarecida pelo meu marido que sucedesse o que sucedesse continuaria a ter toda a confiança em mim. O certo é que sentia as cuecas exarcadas. Meu amor, não estou preparada para tal, é muito complicada, não sei se alguma vez vou conseguir, só de pensar na vergonha de me expor a outro homem toda eu tremo, necessito de tempo para pensar. Pensa bem, não quero de forma alguma que depois te arrependas. Estou portanto com este dilema, indecisa, sem saber ainda como proceder. Conheço só ainda a pica do meu marido, que bastante me faz gozar, com outro o gozo será diferente? Existe sempre a curiosidade que na verdade não posso negar."

6 comentários:

Alexandre Moreira disse...

ótim matéria, não so casado mas adora ver minhas namoradas transando com colegas nas festinhas que promovia em casa, um fetiche delicioso!

Kátia Farinho disse...

Esposa indecisa, não hesites em aproveitar essa oportunidade que o teu marido com tanto gosto faz em te oferecer, para assim teres uma experiência que muitas esposas gostariam de usufruir. Eu por exemplo, necessitei de saltar cerca, do qual ão estou arrependida, pois foi maravilhoso, é necessário sim escolher com quem nos proporciona maior prazer

Flor de Jazmín disse...

Con gusto lo haría sin más remordimiento que el de no tener más placer, qué delicia.
Los invito a leer mis relatos eróticos en mi blog: https://losrelatosdeflordeljazmin.blogspot.com/

LoboComedorSP40 disse...

Sou comedor de esposa, noiva, namorada, ficante...sou da zona sul de SP, tenho 40 anos, 1.76cm, sem barba, dotado e gozo farto, experiente com cuckold quem tiver interesse entra em contato lobomoreno40@gmail.com

Miguel Soeiro disse...

O prazer de maridos verem as esposas com outros homens está cada vez mais vulgarizado. Certamente que haverá muitos que não se manifestam e nem os familiares mais próximos têm conhecimento do que ocorre entre eles.
Outros, embora o desejem, as esposas não aceitam por vergonha, embora o desejassem também.
Tenho 30 anos e a minha esposa 27, casados à 5, sempre temos visto filmes porn. e quando de M/M, várias vezes preguntava a ela se aceitava experimentar pelo menos uma vez. A resposta sempre a mesma: apontando para o meio das perna só dizia: não insistas porque aqui mais nenhum homem mete.
Na verdade gostava de a ver com outro homem, especialmente um caralho entrando-lhe na cona, ver o prazer que este lhe provocava, mas estava difícil.
Saber esperar é uma grande virtude. Um dia houve em que pensei ter surgido a oportunidade que logo tencionei explorar. Queixou-se de dores insuportáveis com uma anca deslocada por um mau jeito dado. Fomos ao médico, não era nada partido, receitou analgésicos, mas esclareceu que estes não curavam; sugeriu um massagista fazer-lhe massagem na anca ou até mesmo em todo o corpo; ela concordou se fosse uma mulher.
Não desarmei; sim meu amor, os salões de massagens têm ambos os sexos; eu procurarei um salão com pessoal competente. Procurei sim um massagista masculino. Disse-lhe para massajar de forma a excita-la ao ponto de ela ficar louca para desejar sexo. Não a forçar a nada, mas fazer tudo que ela consentisse, incluindo a penetração mesmo sem preservativo, pois tomava contraceptivos. Alegar que para ficar mais descontraída eu não devia estar presente, pois sabia de ante-mão que se assim não fosse ela não iria ceder à excitação, mas haver no entanto a possibilidade de ver tudo
E Disse-me não ser eu o primeiro com essa finalidade e que era fácil. Tinha uma câmara disfarçada com visão para toda a sala, especialmente à marquesa, ligada a um ecrã numa sala ao lado. Era direto, nada ficava gravado. Pedi-lhe ainda que à nossa chegada pedisse desculpa da colega não estar por motivo de saúde. Fez questão de me mostrar como funcionava a câmara e o ecrã. Realmente era bem visível o que ocorria na massagem.
Satisfeito como tudo iria decorrer regressei a casa.
Amorzinho, marquei para uma massagista, disponível no próximo sábado ás 15H00.
Passei o resto da semana ansioso pelo sábado; parecia nunca mais chegar.
Ao chegarmos ao salão logo ela perguntou pela massagista.
Tal como havia sido combinado foi esclarecido que por motivo de saúde esta não podia trabalhar, portanto seria ele a dar a massagem.
A monha esposa logo exclamou: não não, assim não aceito a massagem. Vamos embora! Amorzinho, que mal faz ser um homem a massajar-te? Não e não. Tomo a analgésicos. Amorzinho, estes não curam! Mas se é isso que queres depois não te queixas.
Por mais que insistisse mada consegui. Regressamos portanto a casa bastante decepcionado por ter falhado o meu plano, porém com esperança de mais atarde ou mais cedo lhe dar ainda a volta.

Miguel Soeiro disse...

Passados dias a minha esposa abordo-me se a massagista já teria regressado.
Disse-lhe não saber mas iria indagar.
Nada indaguei, no dia seguinte disse-lhe que continuava ausente. Dirigindo-me à minha esposa citei: amor, não vejo mal algum em ser um homem a tratar-te.
Ficou em silêncio, mas passados momentos disse aceitar o massagista.
Falei novamente com o citado para que nas primeiras sessões não ir além da massagem, evitar portanto afugentar a perdiz, só aos poucos ir tocando nas partes intimas.
Regressei, informando a minha esposa que no dia seguinte teria a primeira sessão.
Chegados ao gabinete bastante insistiu para eu estar presente, mas o massagista alegou que eu apenas podia auxilia-la a deitar-se na marquesa, de barriga, com cuecas, sutiã e uma toalha que nos entregou para estender sobre o bum bum; ele se afastaria para ficarmos à vontade.
Assim procedemos e dirigi-me depois para o meu posto de observação.
Naquele dia nada se passou além da massagem, só algum esticão na perna
Regressamos a casa, afirmando a minha esposa sentir-se melhor.
No dia seguinte repetiu-se a massagem, observei porém que esta se estendia a todo o corpo, especialmente no interior das coxas.
De regresso a casa perguntei-lhe se tinha alguma queixa a fazer do massagista! Respondeu estar tudo bem, ele era correto.
Na 3ª sessão não sei onde ele lhe tocava que ela elevava as ancas.
Na 4ª iniciou pelos ombros, seios e vi que lhe dedilhava os mamilos e falando um com outro seguiu-se troca de beijos, que pareceram de língua e surpreendido fiquei quando a vi acariciar-lhe o caralho através das calças, para de seguida o libertar e meter na boca; grosso como era teve alguma dificuldade, mas conseguiu; devia atingir-lhe a garganta.
Nem queria acreditar no que via, a minha esposa fazendo um boquete a outro homem. Assim permaneceram durante minutos, até que ele se deslocou para o topo da marquesa, afastou-lhe as coxas e o seu rosto desapareceu no meio das pernas dela.
Notei que falavam, não ouvia o que diziam, mas toda ela se agitava
Sorrindo um para o outro; ela saiu da marquesa e nua como estava foi para onde tinha a roupa, enquanto ele me ia chamar e perguntava: gostou do que viu? Disse-lhe que sim.
Na 5ª sessão quando me instalei já ela se despia, ficando totalmente nua; nem subiu para a marquesa e vejo ele também todo nu, com caralho bem rijo dirigir-se a ela.
Parecia fascinada com aquele caralho, conhecia apenas ainda o meu, ajoelhou, mete-o na boca, chupando-o com prazer! Não ouvia o que diziam, ela levantou-se, ficando a posição de 4; ele penetrava-a lentamente, ela arfava até entrar todo. Adorei ver depois as diversas vezes que quase saía da cona para depois entrar com tanta força que a deslocava ao entrar novamente. Ela de certo teve um orgasmo porque com a mão pediu que parasse.
Ele tirou, mas a cona ficou entreaberta, saindo dela enorme quantidade de leite cremoso, tinha gozado dentro, talvez a pedido dela
Iriam ficar por ali? Não, sentaram-se na marquesa e ela novamente meteu o caralho na boca, de certo para o entesar e continuarem a foder. Como seria? Iria para cima dela? Gostava de a ver com ele em cima.
Não tardou ela deitar-se de costas na ponta da marquesa com as pernas nos ombros dele e ele meter novamente na cona.
Mais uma visão, observar a cona da minha esposa ir dilatando conforme tão grosso caralho ia entrando, exprimindo ela bem quanto estava gozando.
Julguei terem terminado, mas vejo que ele se deita de costas na marquesa e ela sobe para o cavalgar. É um sobe e desce, sempre com o caralho dentro, mas repentinamente parou. Deduzi ter obtido novo orgasmo, quando saiu de cima dele da cona escorreu novamente leite cremoso.
Ambos estariam cansados, ambos saíram, certamente para se lavar, regressando já vestidos.
Reunidos os 3 confidenciei ao massagista a satisfação que tive do que vi e a minha esposa agradeceu-lhe pelo seu esforço de em 5 sessões lhe tirar as dores, considerando bem merecido o dinheiro gasto. Só espero ela não ter ficado viciada em dar a cona sem eu saber. Sempre desejarei assistir, assim não à traição.