5.7.22

A FOTO QUE QUALQUER MARIDO CUCK DESEJA TIRAR



Esposa feliz e saciada, tomando um banho delicioso com o macho BBC Alfa e humilhando o marido corno, comparando o tamanho do pênis do macho comedor com o do seu marido!

7 comentários:

Natércia da Conceição disse...

Que lindeza! Como eu desejava que o meu marido tivesse um assim. Esporo não morrem antes de experimentar um semelhante. Deve provocar sensações maravilhosas numa mulher sentir tão volumoso membro na sua intimidade.

Anônimo disse...

Oi Natércia, belas palavras. Foi um encanto ler sua mensagens. Vamos nos conhecer mais um pouco? Fala conosco pelo nosso email. casalpernambuco2021@gmail.com
Gostamos de novas amizades quentes.

gerita disse...

omg siiiiiiii!!!! Whar a cock! what a man!!

Madalena Cristina disse...

Foi um semelhante, ou talvez maior, que me fez gritar, não sei se com as dores ou com o prazer Tenho 32 anos, proprietária e diretora duma farmácia, casada com um médico. O meu marido esteve durante 6 meses prestando serviço num hospital de Guiné-Bissau.
Quando regressou contou-me vários episódios ocorridos com negros. Além desses episódios, numa escaldante noite de amor, talvez para mais me excitar, disse que o membro sexual dos negros é descomunal, tanto em comprimento como em grossura. Olhando para mim acrescentou! Duvido muito que conseguisses aguentar uma coisa daquelas.
O quê? Se as negras aguentam porque razão as brancas serão incapazes de aguentar.
Aquela referencia ao membro sexual dos negros ficou-me na memória, o que me excitava.
Sucedeu que num congresso realizado no Porto, com vários colegas de profissão compareceram uma colega, amiga da faculdade, que desde essa data somos confidentes e, um colega negro, de S.Tomé, um autentico atleta. Eu olhava-o com frequência, ao ponto da minha me dizer: olha que o Elias é um mulherengo, não tarda que te faça a corte.
Eu confesso que já me levou para acama: mas eu sou divorciada e tu és casada, alerto-te também que possui uma verga como nunca vi: apesar de eu já ter dado luz 2 filhos fiquei arrombada.
Contaste-me a conversa do teu marido, pareces disposta a ir com ele para a cama, mas pensa bem, ainda não tiveste filhos, continuas apertadinha, mais difícil será para ti.
Na verdade gostava de ir com ele para a cama, mas nunca irei convida-lo para tal.
Já que teimas em ter essa aventura deixa comigo, que eu resolvo mas se fores esquece o preservativo, porque com aquela dimensão normalmente rebenta e como estás a tomar contraceptivos deixa-o gozar dentro que irás sentir o que é gostoso; a inundação é enorme, nem imaginas.
Irei convida-lo para que após o jantar vá tomar connosco uma taça de porto, no meu quarto, julgará que é para dormir comigo e como tu estarás também lá, depois irei para o teu quarto, deixado-vos a sós no meu, onde dormirão. Concordas?
Ótima ideia. Pouca ou nenhuma atenção dei ao congresso no resto da tarde. pensando na noite que iria ter.
Vi a minha amiga falar com Elias, não sei o que falaram mas ele passou a olhar-me com olhos de cobiça. Ao jantar ficou na nossa mesa, houve portanto oportunidade de dialogo entre os três. Após o jantar logo seguimos para o quarto da minha amiga.
Apesar da excitação não deixava de pensar no que ia fazer, pensava no meu marido, que nem sonhava que a sua esposa, tão honesta até aquele momento em breve iria foder com outro homem, pensei desistir, mas era já tarde para isso. Chegados ao quarto, havendo só uma poltrona, sentou-se nela a minha amiga e nós na cama, que bem larga era.
Tal como o planeado, depois da taça do porto logo a minha amiga se queixou de sono dizendo dormir no meu quarto e para nós ficar a sós no dela pois certamente haveria muito para ambos conversar Ali ficamos os 2, sem saber como iniciar, eu tal como uma noiva na noite núpcias, não sabia o que fazer.
Foi ele que aproximando-se mais me beijou na face, para de seguida procurar os meu lábios num intenso beijo de língua.
Que arrepio percorreu to o meu. Estava quebrado o gelo, pois de imediato começou a despir-me sem eu a nada me opor, ficando apenas com a mini cueca e o sutiã. Certamente fechei os olhos com vergonha de me expor ao seu olhar praticamente nua. Nem dei por ele se despir também só vi que estava completamente nu quado se afastou ligeiramente para contemplar o meu corpo, exclamando: que excitante corpinho.
Ele mais parecia a estatua dum Deus negro. O que me assustou foi o monstruoso membro que ele tinha, bem erecto pontando para mim. Eu tremia só de pensar se seria possível alojar aquele monstro dentre de mim, mais parecia dum cavalo, tão negro, com veis salientes a cabeçorra também preta. Como é que aquela cabeça iria dilatar para aquilo entrar todo.
Meu Deus onde eu me meti. Terá o meu marido razão ao afirmar que eu não conseguiria aquentar a tora dum negro?
Para contar quanto sofri naquele noite terá de ser amanhã.

Madalena Cristina disse...

Só hoje me é possível contar o final da minha o da minha aventura ocorrida durante um congresso na cidade do Porto.
Bastante critica é nesta momento a situação em que me meti. A curiosidade matou o rato veremos esta minha curiosidade no que vai dar. Momentos à em que os homens pensam com a com a cabeça de baixo e eu será com o meio das pernas? Der no der não irei desistir.
Por falta de espaço não irei descrever os preliminares, durante os quais realmente gozei muitíssimo, contarei apenas como tudo ocorreu depois destes.
Estava tão exausta pelo enorme prazer sexual recebido que pedi para descansar um pouco, mas o Elias não me concedeu tréguas, Não, não, excitada e lubrificada como estás é o momento certo para foder, difícil será esta noite atingir um estado semelhante, mas nessa posição, para uma primeira vez comigo, será mais difícil para ti. Sugiro experimentar a posição de 4, ficas mais aberta e entrará mais fácil.
Mas nesse posição vai mais fundo e isso é muito comprido, aleguei.
Não te preocupes com o comprimento. porque se deixares entrar até metade não forçarei mais.
Prometes? E também não me segurar se eu tentar escapar? O que só farei se não poder mesmo aguentar. Peço por tudo que metas de vagar.
Prometo e cumpro!
Então está bem, aceito.
Desci portanto da cama mas debruçada sobre a mesma, com os pés no soalho, totalmente nua, coxas afastadas, tal como uma égua esperando o cavalo cobridor. Embora não fosse realente uma égua o que ia entrar em mim era bem semelhante à dum cavalo, mas que eu estava ansiosa, embora ao recordar a sua grossura entrasse em pânico
Não tardou que o Elias, também totalmente nu, ajoelhar-se de frente para onde aquela verga rija que apontando para mim ia entrar, ele contemplava o panorama, talvez por ser peludinho! Eu, inicialmente com tanta vergonha já nada me importava, era algo que ele estava habituado a ver.
Senti que beijava e lambia os lábios da cona o que de seguida pincelava com a cabeçorra negra; que delicia, até com os lábios externos preenchidos, mas quando começou a entrar serrei os dentes no lençol, disposta a aguentar, contudo em certo momento não podia nais. Para. Não aguento! O quê? Só entrou ainda uma mão travessa! Mulher algumas fez uma nega!
Tira e deita-te de custas na cama, cavalgando-te irei controlando e garanto que entrará todo, tenho o meu brio de mulher. Ao limpar-me era bem visível a mancha de sangue na toalha.
Assim, serrando o maxilar superior nos lábios, aguentei até entrar todo, sentindo que o útero se deslocou. Como aquilo era negro quando saiu pouco se notava o sangue, mas eu bastante esfolada estava.
Toda a zona genital me doía e ele alegando não ter ainda gozado, pedindo para foder noutra posição. Meu Deus, como iria suportar?
Adorava sentir todo o teu corpo sob o meu, vamos meter como papai mamã? Compreendi-o, apesar de certamente estar esfolada cedi. Vamos e podes gozar dentro, não me importo.
O seu regozijo foi enorme, mas com a fricção tudo me ardia, gozei apenas quando senti as golfadas da esperma inundarem-me. Nunca mais parava
Não podia mais, eram 2 da manhã,, depois de um reconfortante banho adormeci de imediato.
Madruga ainda senti que me abanava, julguei ser dia, abri os olhos! O que é? Levando a minha mão ao meio das sus peras me disse: vê como isso está? Deixas que goze outra vez? Com bastante pena não, tenho a cona muito ferida

Madalena Cristina disse...

Só hoje me é possível contar como terminou a minha aventura ocorrida durante um congresso na cidade do Porto.
Que critica situação esta em que ms meti. A curiosidade matou um rato, veremos esta minha curiosidade o que vai dar. Momentos há em que os homens pensam com a cabeça debaixo e eu foi com o meio das pernas? Se o meu marido não participasse na equipa de médicos sem fronteiras seria diferente, mas sou mulher e, como qualquer outra de idade semelhante. tenho as minhas necessidades. Portanto der no que der não desistirei, se a minha amiga aguentou aquilo também aguentarei.
Por falta de espaço, não farei referência aos preliminares, com os quais gozei muitíssimo, mas me deixou tão exausta que pedi para descansar um pouco.
Porém o Elias não deu tréguas. contrapondo: não não, excitada e lubrificada como estás é o momento ideal para foder, mas nessa posição será difícil entrar, sugiro a de 4, ficas mais aberta.
Mas assim vai mais fundo e isso é muito comprido.
Não te preocupes com o comprimento, se entrar metade só forçarei mais se pedires.
Prometes? E que metes devagar e não com uma estucada brusca?
Prometo e cumprirei.
Lá saí eu da cama e debruçada sobre ela, toda nua, coxas afastadas, mais parecia uma égua esperando o cavalo cobridor, mas na verdade, não sendo realmente uma égua, aquilo que iria suportar bem se assemelhava a de um cavalo.
Não tardou que o Elias se ajoelhasse atrás de mim, apreciando a peludinha paisagem, ao centro bem vermelhinha.
Senti que me beijava e lambia os lábios da cona, para de seguida pincelar com a cabeçorra negra os lábios externo. Estava sendo gostoso, mas repentinamente forçou e entrou a cabeça: não contive um grito, ai, mas mordendo o lençol dispunha-me a aguentar, sentia ser rasgada, até que em dado momento supliquei: por favor pára, não aguento mais. O quê? Só entrou uma mão travessa! Nenhuma ainda fez uma nega!
Tira e deita-te de costas na cama, irei cavalgar-te e serei eu controlar. Ao tirar de dentro de mim e ao limpar-me, era bem visível a mancha de sangue na toalha, mas tinha decidido que havia de conseguir o que queria.
Garanto que irá entrar todo, custe o que custar, não serei a primeira negar-me.
Foi assim que, mordendo o lábio com o maxilar superior, consegui suportar que entrasse todo, rasgando-me e deslocando certamente o útero.
Estava arrasada, mas ele suplicou-me: ainda não gozei, gostava de sentir o teu corpo sob o meu, eu em cima de ti, vamos foder como papai mamã?
Tens razão, embora tudo me doa suportarei, não sou egoísta e podes gozar dentro que não me importo.
O seu regozijo foi enorme, suportei assim uma dolorosa penetração, em que na fricção tudo me ardia a unica sensação de prazer só quando as golfadas de esperma me inundaram.
Tão exausta estava que após um reconfortante banho logo adormeci. Era 3 da manhã.
Em plena madrugada senti abanarem-me, abri os olhos e ao ver de noite perguntei: o que foi? Em resposta levou a minha mão ao meio das suas pernas! Olha como isso está por sentir o teu corpo. Faz-me gozar novamente para isso amolecer! Nem pensar, de dorida que estou não consigo. Então dá o cuzinho! Upa upa, isso ainda menos, meu rico cuzinho, devia ficar lindo.
Então tomamos banho juntos e manuseia-lo para ver se baixa. Concordei e foi bem excitante manusear tão lindo exemplar até ele explodir.
Se não fosse tão grosso havia-o metido na boca, mas ainda provei aquela gozo e deixei que roça-se no meu cuzinho, que bem piscou.
O Elias bem me pediu para mais tarde repetir, como normalmente todas têm feito, pois estando já à sua medida iria sentir o que é gozar, mas de momento não penso em tal.

Marcelo disse...

Ter uma mulher que goste da ideia seria muito bom ... Sempre aprontariamos ...sou sub obediente lisinho e delicado do Brasil São Paulo